Politica

Santos Silva interrompe e repreende Ventura e é aplaudido de pé

Moção do Chega chumbada sem surpresas, mas houve 81 abstenções. Sessão fica marcada por incidente entre Ventura e presidente da Assembleia.


A moção de rejeição ao Programa do Governo, apresentada pelo Chega, foi chumbada, esta sexta-feira, na Assembleia da República.

Como já era previsto, apenas os doze deputados da bancada do partido, liderado por André Ventura, votaram favoravelmente à moção.

Os resultados foram anunciados pelo presidente da Assembleia da República, Augusto Santos Silva, que indicou que 133 deputados votaram contra, 81 abstiveram-se e os 12 membros eleitos do Chega votaram a favor.

O debate de hoje, o segundo dia de debate do programa do Executivo de António Costa, ficou ainda marcado pela troca de palavras entre André Ventura e Augusto Santos Silva.

O líder do Chega foi interrompido pelo presidente da Assembleia da República quando discursava, criticando a comunidade cigana, referindo-se ao caso do agente da PSP que foi morto junto a uma discoteca.

"O que nós não compreendemos é que a comunidade cigana sempre esteja tão pronta para ser aplaudida por este parlamento", afirmou Ventura, lamentando não ver notícias de "que os ciganos agrediram a GNR no Alentejo ou os bombeiros", disse Ventura, e defendeu: "esta capacidade de dizer que sim à comunidade cigana tem que acabar em Portugal".

“Há um cigano fugido noutro país depois de ter morto um PSP e que o patriarca da comunidade cigana diz que no seu modo, no seu tempo o entregará à justiça", acrescentou, usando ainda a expressão "paraíso de impunidade".

Foi então que Santos Silva o interrompeu, sublinhando que "não há atribuições coletivas de culpa em Portugal". Seguiram-se aplausos de quase todo o hemiciclo, alguns de pé, à exceção da bancada do Chega.

"Solicito-lhe que continue livremente a sua intervenção, como é seu direito, respeitando este princípio", acrescentou Augusto Santos Silva.

Ventura retomou a sua intervenção, dizendo que não aceitava que "nenhum outro deputado ou presidente da Assembleia” limitasse a sua intervenção, seguiram-se palmas agora da sua bancada.

"Eu vou continuar a usar a expressão 'ciganos' sempre que tiver que usar e o senhor presidente, no seu direito, sancionará quando tiver que sancionar, sabendo que eu nunca deixarei de dizer aquilo em que acredito, em que milhões de portugueses acreditam", acrescentou.

Os comentários estão desactivados.