Sociedade

Registadas mais de 24 mil casos de reações adversas a vacinas contra a covid-19 até março

A maior parte das reações adversas (12.426) são à vacina da Pfizer/BioNtech, seguindo-se a da AstraZeneca, com 6.324, a da Moderna, com 3.294 e a da Janssen, com 1.949 casos.


Até ao fim do mês de março, a Autoridade Nacional do Medicamento (Infarmed) registou, em Portugal, um total de 24.144 reações adversas às vacinas contra a covid-19. Destas, 7.791 foram considerados graves. 

Entre as reações adversas graves contabilizam-se 129 casos de morte entre pessoas com uma idade média de 77 anos, dizem os dados do Relatório de Farmacovigilância divulgado esta sexta-feira. É de notar, contudo, que as mortes não podem ser consideras como uma causa direta da vacina contra o SARS-CoV-2. Na maiora dos casos, explica o documento, as mortes estão relacionadas com antecendentes e/ou outras doenças. 

Assim, a maior parte das reações adversas (12.426) são à vacina da Pfizer/BioNtech, seguindo-se a da AstraZeneca, com 6.324, a da Moderna, com 3.294 e a da Janssen, com 1.949 casos.

Os dados, frisa o Infarmed,  "não permitem a comparação dos perfis de segurança entre vacinas", por tem sido utilizadas em diferentes grupos (idade, género, perfil de saúde, entre outros) e "em períodos e contextos epidemiológicos distintos".

No que diz respeito às reações adversas ditas como grabas, "cerca de 85% dizem respeito a situações de incapacidade temporária (incluindo o absentismo laboral)". 

 

Os comentários estão desactivados.