Desporto

Ucrânia. Tony Martin leiloa medalha por 35 mil euros... e ainda fica com ela

O ex-ciclista arrecadou 35 mil euros para ajudar crianças ucranianas com o leilão da sua medalha olímpica de prata, e o comprador devolveu-lha.

Ucrânia. Tony Martin leiloa medalha por 35 mil euros... e ainda fica com ela

O antigo ciclista alemão Tony Martin leiloou a medalha de prata olímpica que conquistou no contrarrelógio em Londres’2012, arrecadando 35 mil euros para ajudar crianças ucranianas, vítimas da invasão russa. A generosa oferta, no entanto, acabou recompensada pelo comprador, que acabou por lhe devolver a medalha.

Martin pousou a bicicleta no final da temporada passada e, apesar de garantir estar “absolutamente” confortável com a decisão de leiloar a medalha, diz ter ficado sensibilizado com o “gesto incrivelmente generoso” do comprador. “Quero agradecer à FitLine pelo grande apoio ao meu projeto de caridade, mas também por me devolver a oportunidade de, um dia, poder mostrar a minha medalha olímpica aos meus netos”, defendeu. “Estou sem palavras. Não só a FitLine – autora da oferta mais elevada pela minha prata olímpica – arredondou a doação para 35 mil euros (a licitação foi de 31,1 mil euros), como o diretor-geral Torsten Weber me devolveu a medalha”, explicou o ex-ciclista, que em 27 de março anunciou que iria doar a medalha de prata do contrarrelógio dos Jogos Olímpicos Londres’2012, sendo que os fundos iriam reverter para a Wir Helfen Kindern, uma instituição alemã de apoio a crianças. Neste caso, os apoios são dirigidos especificamente a favor dos menores ucranianos afetados pela invasão militar russa. “Separar-me do maior troféu que consegui ganhar na carreira não foi fácil, mas considerando que milhões de pessoas perderam quase tudo, é algo que quero mesmo fazer. Espero, do fundo do coração, que o povo ucraniano possa ter de volta a sua paz e liberdade”, escreveu na altura o alemão, através da rede social Instagram.

 

Quatro títulos mundiais

Aos 36 anos, Tony Martin, que venceu a Volta ao Algarve em 2011 e 2013, é um dos nomes inconfundíveis do contrarrelógio, contando na sua carreira quatro títulos mundiais da especialidade (2011, 2012, 2013 e 2016), recorde este que partilha com o suíço Fabian Cancellara.

Martin venceu cinco etapas da Volta a França, onde vestiu a camisola amarela na edição de 2015, bem como duas etapas na Vuelta e 10 títulos nacionais de contrarrelógio, acabando por se retirar no final da temporada passada.

Em Londres’2012, conquistou a medalha que agora rendeu 35 mil euros em apoios a crianças ucranianas, e que representa o seu maior feito no mundo do ciclismo. Na altura, ficou apenas atrás do britânico Bradley Wiggins, com Chris Froome a completar o pódio no terceiro lugar.

A FitLine, compradora da medalha em questão, é a provedora oficial de equipamento da Federação Alemã de Ciclismo.

Os comentários estão desactivados.