Internacional

Kremlin considera "inaceitável" que Joe Biden tenha usado o termo "genocídio"

Ontem, foi a primeira vez, desde que começou o conflito bélico na Ucrânia, que o Presidente dos Estados Unidos recorreu à palavra “genocídio” para definir as atrocidades cometidas pelas tropas russas em território ucraniano. Já o homologo francês, Emmanuel Macron, prefere não usar o mesmo termo. 


A presidência russa considerou, esta quarta-feira, “inaceitável” que o Presidente dos Estados Unidos, Joe Biden, tenha utilizado o termo “genocídio” para caraterizar a campanha militar das tropas russas na guerra na Ucrânia.

"Discordamos totalmente das declarações e consideramos inaceitáveis as tentativas de distorcer a situação. Além disso, é dificilmente aceitável que isto seja dito pelo Presidente dos Estados Unidos, um país que cometeu ações (condenáveis) bem conhecidas na história moderna e recente", vincou o porta-voz do Kremlin, Dmitri Peskov.

Ontem, foi a primeira vez, desde que começou o conflito bélico na Ucrânia, que Joe Biden recorreu à palavra “genocídio” para definir as atrocidades que estão a acontecer na Ucrânia.

O termo foi proferido numa conferência de imprensa em Iowa, onde também chamou o homologo russo de ditador. "O orçamento familiar ou a capacidade de abastecimento de combustível, nada disso deve depender de um ditador declarar guerra e cometer genocídio no outro lado do mundo", afirmou Joe Biden.

Do outro lado do oceano Atlântico, o atual Presidente e candidato para mais um mandato enquanto líder da republica francesa, Emmanuel Macron, preferiu não usar o mesmo termo, por temer que uma "escalada de palavras" dificulte o processo de terminar com a guerra.

Numa entrevista ao canal de televisão France 2, Macron foi questionado sobre as declarações de Biden, às quais disse que pretende ser mais “cuidadosos com os termos”.

Os comentários estão desactivados.