Cultura

"Ninguém ligou nenhuma às Novas Cartas Portuguesas, em Portugal", diz Maria Teresa Horta

"Foram escritas há tantos anos. Depois esgotou, mas ninguém fez nada, e de repente, de súbito, de cinco em cinco minutos falam das 'Novas Cartas', a pessoa fica perplexa", considera uma das autoras da obra. 


Maria Teresa Horta, uma das "Três Marias", autoras das "Novas Cartas Portuguesas", disse estar "perplexa" com o interesse que o livro parece suscitar agora, 50 anos após a primeira publicação, já que a obra, diz, foi sempre desconsiderada em território nacional e muito mais valorizada em universidades internacionais. 

A escritora, e uma das principais caras da luta feminista contemporânea, afirmou à Agência Lusa que "ninguém ligou nenhuma às 'Novas Cartas Portuguesas' em Portugal", e que,"agora, de repente, enlouquece tudo".

Assim, Teresa Horta considera que Portugal continua muito atrasado em relação à atualidade do livro. "Foram escritas há tantos anos. Depois esgotou, mas ninguém fez nada, e de repente, de súbito, de cinco em cinco minutos falam das 'Novas Cartas', a pessoa fica perplexa".

"Novas Cartas Portuguesas", escrita por Maria Isabel Barreno, Maria Teresa Horta e Maria Velho da Costa, fez com que as três escritoras fossem a tribunal.  Recorde-se que a primeira edição foi recolhida e destruída pela censura, três dias após ter sido lançada no mercado, por ter sido considerada de "conteúdo insanavelmente pornográfico e atentatório da moral pública".

 

Os comentários estão desactivados.