Politica

"Talvez alguém convide o Mário Machado". António Filipe condena presença de Zelensky no Parlamento

Declarações do histórico comunista juntam-se às declarações da líder parlamentar do PCP, que disse que Volodymyr Zelensky “personifica um poder xenófobo e belicista, rodeado e sustentado por forças de cariz fascista e neonazi”.


A polémica do PCP e da sessão do Presidente ucraniano no Parlamento português continua. O histórico militante comunista António Filipe recorreu ao Twitter para condenar o convite, aprovado na Assembleia da República por todos os partidos à exceção do PCP, endereçado por Augusto Santos Silva e por Marcelo rebelo de Sousa.

"Talvez alguém convide amanhã o Mário Machado para estar presente nas galerias. Os amigos são para as ocasiões", escreveu António Filipe, condenando assim a presença de Volodymyr Zelensky, que compara com o português, associado a movimentos neonazis.

Recorde-se que o PCP fez saber, esta quarta-feira, que não estará presente durante a videoconferência com o Presidente ucraniano, que fala esta tarde às 17 aos deputados portugueses.

"O PCP não participará numa sessão da Assembleia da República concebida para dar palco à instigação da escalada da guerra, contrária à construção do caminho para a paz, com a participação de alguém como Volodymyr Zelensky, que personifica um poder xenófobo e belicista, rodeado e sustentado por forças de cariz fascista e neonazi, incluindo de caráter paramilitar, de que o chamado Batalhão Azov é exemplo", afirmou, na quarta-feira, a líder parlamentar comunista, Paula Santos, em conferência de imprensa no Parlamento.

Os comentários estão desactivados.