Opiniao

Estranha escolha de palavras

Se nos habituámos ao “vale tudo” nos palcos dos discursos políticos, fortemente alinhados, é bom reconhecer, com o horizonte de expectativas de uma sociedade cada vez mais pautada pelo discurso-performance, pelo discurso-espetáculo, a imagética da candidata do Rassemblement National confirma a tendência por demais populista da sua estratégia eletiva.

Estranha escolha de palavras

Por Maria de Jesus Cabral, Professora de língua, literatura e cultura francesa, Universidade do Minho

«Peuple de France, lève-toi ! Peuple de France, lève-toi !», reitera Marie Le Pen em vésperas da decisiva segunda volta das eleições presidenciais francesas.  É fácil reconhecer nesta interpelação a uma nação cada vez mais abstencionista, cansada de crises mas caracteristicamente anticonformista, o lema da Revolução Francesa de julho de 1789, quiçá o fervor de liberdade que animou a Declaração dos Direitos do Homem e do Cidadão, um mês mais tarde.  Se o argumento histórico, por si só, já seria digno de nota, merece ainda atenção a referência (menos?) explícita à célebre exortação de Jesus a Lázaro neste período pós-pascal, revertendo, neste caso, a tradição jacobina e laica – sinónima de liberdade igualdade e fraternidade - tão fortemente assumida no espirito francês… Como quer que seja, se combinarmos as duas dimensões teremos uma mensagem interessante, e porventura não muito longe da intenção perlocutiva da sua enunciadora: Povo francês, herdeiro da Revolução, levanta-te… vamos cumprir o prodígio nacionalista!

Se nos habituámos ao “vale tudo” nos palcos dos discursos políticos, fortemente alinhados, é bom reconhecer, com o horizonte de expectativas de uma sociedade cada vez mais pautada pelo discurso-performance, pelo discurso-espetáculo, a imagética da candidata do Rassemblement National confirma a tendência por demais populista da sua estratégia eletiva. Evidenciando (in)suspeitas cumplicidades lexicais, uma tal “escolha” de palavras, por arrojada e até estranha que pareça, tem sempre o mérito de despertar a reflexão e porventura a reação.  Acriticamente acolhido, o seu slogan poderá ser “queijo numa ratoeira”, como diz a canção de Lena d’Água. A linguagem tem essa capacidade de revelar o lastro íntimo daquilo que alguns – menos raros do que se pensa – secretam, como crispação identitária[1] – sob a superfície das imagens. A língua tem esses perigos. Bem o sabem os políticos…

[1] Julia Kristeva, O Futuro de uma revolta, tradução de João Domingues e Maria de Jesus Cabral, Santo Tirso, Edições De Facto, 2018, 92 p.

 

Os comentários estão desactivados.