Internacional

Fim da Guerra na Ucrânia tem data marcada? Moscovo diz que não

Kremlin nega fim da guerra a 9 de maio, data que a Rússia assinala o Dia da Vitória, referindo-se à rendição dos nazis aos Aliados, onde se incluía a antiga União Soviética.


O ministro dos Negócios Estrangeiros russo recusou a ideia de que a Rússia pretenda pôr fim à guerra na Ucrânia no dia 9 de maio, depois de vários analistas de política internacional terem apontado a data simbólica como o dia em que Moscovo quereria celebrar a sua vitória sobre a Ucrânia.

"Os nossos militares não ajustarão artificialmente as suas ações a qualquer data, incluindo o Dia da Vitória", afirmou Sergei Lavrov, numa entrevista a um canal de televisão italiano, este domingo.

"O ritmo da operação na Ucrânia depende, acima de tudo, da necessidade de minimizar possíveis riscos para a população civil e para os militares russos", acrescentou.

Lavrov disse que a celebração do Dia da Vitória será feita como “sempre” acontece. "Celebraremos solenemente o 9 de maio, como sempre fazemos. Recordemos aqueles que caíram pela libertação da Rússia e de outras repúblicas da ex-URSS [União das Repúblicas Socialistas Soviéticas], pela libertação da Europa do flagelo nazi".

O Dia da Vitória, assinalado na Rússia a 9 de maio para evocar a rendição nazi aos Aliados em 1945 na Segunda Guerra Mundial, é celebrado com um grande desfile militar no centro de Moscovo e com um discurso do Presidente, no qual sublinha sempre o papel da antiga União Soviética na derrota do nazismo e do fascismo na Europa.

Sublinhe-se, no entanto, que, este ano, a data coincide com a invasão russa da Ucrânia, que Moscovo contnua a justificar com a necessidade de "desnazificar" aquele país, que pertencia à antiga União soviética.

Mas estas não foram as únicas declarações de Lavrov que hoje são notícia. Na mesma entrevista, o chefe da diplomacia russa afirmou que Adolf Hitler tinha "sangue judeu" como Volodymyr Zelensky e sublinhou que os judeus são os piores antissemitas da história.

Quem não deixou passar em branco as declarações do ministro foi Israel, que exige um pedido de desculpas de Moscovo.

Os comentários estão desactivados.