Internacional

Putin assina decreto para avançar com novas sanções económicas contra Ocidente

Ainda não conhecidos os pormenores sobre quais os indivíduos ou entidades que serão afetadas por estas medidas, indicou a Reuters, que tem pelo menos uma certeza: a Rússia proibirá a exportação de produtos e matérias-primas para pessoas e entidades que outrora já foram sancionadas.


O Presidente da Rússia, Vladimir Putin, assinou, esta terça-feira, um decreto para aplicar novas sanções económicas para responder às “ações hostis de certos Estados estrangeiros e organizações internacionais”, anunciou o Kremlin, citado pela agência Reuters.

Ainda não conhecidos os pormenores sobre quais os indivíduos ou entidades que serão afetadas por estas medidas, indicou a Reuters, que tem pelo menos uma certeza: a Rússia proibirá a exportação de produtos e matérias-primas para pessoas e entidades que outrora já foram sancionadas.

Este decreto também visa a proibição de transações com este grupo de indivíduos e empresas estrangeiras e principalmente permite que as contrapartes russas possam falhar as suas obrigações para com estes.

De acordo com os termos do decreto, o governo russo tem agora 10 dias para agregar nomes de indivíduos e empresas que estão contra este país a ser sancionadas, assim como definir "critérios adicionais" para uma série de transações que poderão ficar por terra.

Recorde-se que a União Europeia está a preparar neste momento mais um pacote de sanções, no qual poderá estar já incluído um embargo ao petróleo russo. Segundo informação avançada por Josep Borrell, o Alto Representante do bloco europeu para os Negócios Estrangeiros, este embargo poderá ser aprovado na próxima reunião do Conselho de Negócios Estrangeiros.

No entanto, esta restrição provoca ainda algum desentendimento por parte de alguns países do bloco comunitário devido à sua dependência sobre o combustível.

Os comentários estão desactivados.