Opiniao

O dilema do lítio – expandido

O que prenuncia para o nosso planeta não é o início de uma Terceira Guerra Mundial, mas de uma Paz Fria II em que a batalha será pela posse de recursos naturais, mas finitos, e o poder de tomar decisões sobre o seu uso benéfico para apenas uma proporção selectiva dos oito bilhões de habitantes do planeta Terra.

O dilema do lítio – expandido

por Roberto Cavaleiro Knight

Uma análise feita pela SoSMinErals (Security of Supply of Mineral Resources)) para o Comité Britânico de Alterações Climáticas estima que 265.000 toneladas de carbonato de lítio seriam exigidas pelos fabricantes para fornecer baterias inovadoras NMC 811 para tornar todos os carros e carrinhas comerciais britânicos eléctricos até 2050 e que todas as novas vendas de tais veículos sejam apenas a bateria até 2035. Excluem-se os veículos de mercadorias.

Outros recursos metálicos que seriam necessários para garantir esta meta de substituição total são: cobalto 208.000 toneladas, neodímio/disprósio 7.200 toneladas e cobre 2.362.000. De forma ameaçadora, o relatório conclui que “não há recursos metálicos suficientes a serem extraídos e refinados em todo o mundo hoje para que a Grã-Bretanha cumpra as suas metas de transição verde na próxima geração”. Em setembro de 2021, havia 32 milhões de carros e carrinhas licenciados na Grã-Bretanha. O número global estimado foi de um bilhão – uma duplicação em menos de vinte anos.

A China domina a produção global de minerais essenciais para a fabricação com 60% de elementos raros e 45% de minérios do tipo molibdénio, mas garantiu concessões em todo o mundo, como cobalto na República Democrática do Congo, lítio na Austrália, platina e ouro na África do Sul e de vários elementos na América do Sul. Os EUA, em comparação, fecharam muitas das suas minas e fábricas nos últimos trinta anos. Em 1990 liderou o mundo como produtor de riqueza mineral; hoje ocupa o 7º lugar e importa 30% dos seus minerais mais utilizados.

É por isso que as actuais propostas para a extracção e refinação de Lítio e outros valiosos activos minerais detidos por Portugal precisam de ser reexaminados com a maior urgência para garantir que não sejam exploradas pelos insaciáveis predadores industriais e comerciantes de mercadorias cujo interesse é apenas o grande lucro para si mesmos e não para a melhoria da saúde ambiental e económica do nosso país

Mesmo supondo que os prospectores empresariais chineses possam ter sucesso na sua busca global por novas concessões de mineração e possuam a logística necessária para literalmente mover montanhas para centros de manufactura, parece pouco provável que as metas ambiciosas estabelecidas para a conversão para todos os veículos eléctricos até o ano 2050 possam ser cumpridas. Além disso, parece que pouca atenção foi dada sobre de onde virá a energia eléctrica para carregar um bilhão de baterias se os combustíveis fósseis para as estações geradoras forem eliminados. As alternativas de energia eólica, solar e hídrica usam os mesmos recursos minerais cada vez mais raros para a fabricação de máquinas e equipamentos operacionais e têm períodos de depreciação relativamente curtos antes que o reparo ou a substituição seja necessário. Eles não são “verdes” na criação, operação e reforma.

O que prenuncia para o nosso planeta não é o início de uma Terceira Guerra Mundial, mas de uma Paz Fria II em que a batalha será pela posse de recursos naturais, mas finitos, e o poder de tomar decisões sobre o seu uso benéfico para apenas uma proporção selectiva dos oito bilhões de habitantes do planeta Terra. A luta que se segue não será tanto de ideologia (capitalismo versus comunismo), mas de sistemas e quem os controla.

Os EUA continuarão a ser supremos na sua governação dos mercados globais de tecnologia da informação e finanças e podem estender isso a outros estados das Américas cujos governantes já são controlados política e comercialmente. Mas os seus muitos empreendimentos nas economias da Europa e da África começarão a diminuir à medida que a aliança entre a China e a Rússia (e talvez a Índia) progrida incansavelmente e se expanda para esses territórios. Onde possam surgir conflitos armados, como na Ucrânia, as sanções impostas pelos EUA nas áreas de finanças, tecnologia e entretenimento serão efectivamente combatidas pela retirada dos blocos opostos de recursos exportados e bens manufacturados. Por exemplo, a Rússia e a Bielorrússia juntas produzem mais da metade da potassa do mundo.

Pela sua cobiçada riqueza mineral, Portugal tem um papel proporcionalmente maior a desempenhar na futura economia europeia que deve ser de conceito centrista e evitar alianças militares (como a NATO) com os blocos dominantes e dedicar-se à protecção do ambiente e ao avanço da sua cultura a uma população gradualmente reduzida.

 

Roberto Knight Cavaleiro    Tomar    03 Maio 2022 

Os comentários estão desactivados.