Internacional

Mais de metade dos norte-americanos defende proteção do direito ao aborto

Questionados de uma forma mais geral se o aborto deveria ser legal "na maioria dos casos" ou "em todos os casos", 58% dos entrevistados responderam que sim.


Uma nova sondagem, encomendada pelo jornal Washington Post e pela rede ABC, concluiu que mais de metade dos norte-americanos, 54%, considera que o Supremo Tribunal deve manter a lei que protege o direito constitucional ao aborto, conhecida como "Roe V. Wade", enquanto 28% defende que a lei deveria ser revogada. 

Questionados de uma forma mais geral se o aborto deveria ser legal "na maioria dos casos" ou "em todos os casos", 58% dos entrevistados respondeu que sim, ao passo que 37% considerou que "na maioria dos casos" ou "em todos os casos", o direito ao aborto deveria ser ilegal. 

Sublinhe-se que os dados da sondagem foram recolhidos na semana passada, antes do 'furo' de um projeto do Supremo Tribunal, que pretende revogar a lei, assinado pelo juiz conservador Samuel Alito.

Para além disso, 82% das pessoas que participaram na sondagem afirma que o aborto deveria ser legal quando a saúde da mãe está em perigo, enquanto 79% defende-o quando a gravidez for causada por violação e ou incesto, a par dos 67% que apoia o aborto quando há evidências de problemas para a saúde do feto. 

O apoio à legalização do aborto, ou à sua proibição, está também relacionado com as inclinações políticas dos entrevistados: 73 dos democratas são a favor da lei, contra 53% dos independentes e ainda dos 36% dos republicanos. 

A sondagem foi realizada entre os dias 24 e 28 de abril através de consulta telefónica, com um total de 1.004 norte-americanos, demonstrando uma margem de erro de 3,5%.

Os comentários estão desactivados.