Internacional

Discussão entre juízes e advogado adia primeiro julgamento de crimes de guerra na Ucrânia

Soldado apenas falou em tribunal para confirmar que pertencia às tropas russas. 


Vadim Shishimarin, militar russo de 21 anos, começou esta sexta-feira a ser julgado, no tribunal de Kiev, na Ucrânia, por alegados crimes de guerra, sendo acusado de ter matado um civil. A sessão, contudo, foi adiada para o dia 18 de maio após uma discussão entre juízes e advogados sobre questões processuais.

O soldado, tal como explica a Sky News, só chegou a falar em tribunal para confirmar que era, de facto, um soldado russo, natural de Irkutsk. 

Vadim Shysimarin, um comandante da divisão de tanques de Kantemirovskaya, chegou ao tribunal distrital nº 3 da capital ucraniana em fato de treino cinzento e algemas. O jovem é acusado de ter matado um homem de 62 anos, no dia 28 de fevereiro, na aldeia de Chupakhivka, em Sumy, e está detido sob custódia ucraniana, escreve o The Guardian. 

 

Os comentários estão desactivados.