Sociedade

Jovem árbitro de futebol infantil detido pela PJ por pornografia e abuso de menores em Évora

O jovem de 18 anos aproveitava a sua ocupação enquanto arbitro de futebol infantil para aliciar menores, ao designar-se como “'olheiro' de um grande clube de futebol”.


Um jovem de 18 anos foi detido, esta quinta-feira, pela Polícia Judiciária (PJ) por crimes de pornografia de menores, abuso sexual de crianças e aliciamento de menores para fins sexuais, em Redondo, no distrito de Évora.

O suspeito foi detido na sua residência "em flagrante delito, pela posse e partilha de pornografia de menores" e marcou presença, hoje à tarde, no primeiro interrogatório judicial no Departamento de Investigação e Ação Penal (DIAP) de Évora, indicou uma fonte policial à agência Lusa.

O jovem, que "é árbitro de futebol infantil, bombeiro e estudante no centro de formação de Évora do Instituto do Emprego e Formação Profissional (IEFP)", está indiciado “pelo menos, por quatro crimes de pornografia de menores, três de abuso sexual de crianças e outros três de aliciamento”, no entanto as investigações irão apurar o caso.

Segundo a mesma fonte, o detido aproveitava a sua ocupação enquanto arbitro de futebol infantil para aliciar menores, ao designar-se como “'olheiro' de um grande clube de futebol”.

Através desse estatuto, atraía menores e convencia-os "a trocarem fotos e vídeos com atos sexuais de relevo, dele, dos próprios menores e também de outros".

Na sequência de um inquérito judicial, a PJ deu ontem cumprimento a um mandado de busca domiciliária à residência do jovem, que resultou na sua detenção, dado que tinha na sua posse "vídeos de natureza pornográfica". Já hoje, os elementos policiais efetuaram buscas nos edifícios da corporação de Bombeiros de Redondo e do centro de formação profissional de Évora.

Ainda assim, a PJ pretende interrogar “mais menores com os quais o suspeito contactou" e proceder à "análise informática forense" dos materiais apreendidos - "de um telemóvel e um disco externo" - pelo que "o número de crimes ainda pode vir a aumentar".

Os comentários estão desactivados.