Internacional

"Parece que o calendário do senhor Kissinger está em 1938, e não em 2022", diz Zelensky

O antigo chefe da diplomacia norte-americana defende que a guerra deve acabar rapidamente e, para isso, a Ucrânia deve ceder território.

"Parece que o calendário do senhor Kissinger está em 1938, e não em 2022", diz Zelensky

Volodymyr Zelensky respondeu a Henry Kissinger, ex-secretário de estado norte-americano, depois de o norte-americano ter defendido que a Ucrânia deveria ter cedido territórios à Rússia, com o intuito de acabar com a guerra. 

"Parece que o calendário do senhor Kissinger está em 1938, e não em 2022, e ele pensou que estava a falar para uma audiência, não em Davos, mas em Munique", acusou, na quarta-feira, o líder ucraniano, numa mensagem de vídeo durante o Fórum Económico Mundial, que se realiza em Davos.

Na segunda-feira, Kissinger, que, recorde-se, foi secretário de Estado dos EUA na altura da Guerra Fria, defendeu um início de negociações de paz "dentro de dois meses", antes que as "tensões e dificuldades" se tornem "mais difíceis de ultrapassar", de acordo com o The Telegraph. Assim, para que a paz seja possível, as negociações devem "idealmente" ter "como linha divisória o regresso ao status quo que existia", dando a entender que os líderes mundiais deviam incentivar a Ucrânia a ceder território para que seja possível acabar com o conflito.

"Prolongar e insistir na guerra muito mais tempo levará a que passe a ser não uma questão de liberdade da Ucrânia mas, sim, uma nova guerra contra a própria Rússia", alertou Henry Kissinger. "Espero que os ucranianos correspondam ao heroísmo que demonstraram com sabedoria", sublinhou ainda, manifestando a sua opinião de que a Ucrânia deve incorporar um papel neutro.

 

 

Os comentários estão desactivados.