Brasil Presente

A derradeira tentativa da terceira via

A derradeira tentativa da terceira via

A senadora Simone Tebet, afinal, foi a escolhida para a tentativa de uma terceira via para oferecer uma opção viável ao Lula ou Bolsonaro. O experiente deputado Aécio Neves, que foi candidato à presidente e perdeu por muito pouco, sugere cinco semanas para avaliação do potencial da candidata a unir partidos de centro.

Estima-se que, em sendo viável ir à segunda volta, receberia mais de um terço do que seria hoje o capital eleitoral de Bolsonaro, ou seja, os que votariam no atual residente para evitar o mal maior que seria a vitória das esquerdas em momento económico delicado.

O eleitorado brasileiro é composto por 150 milhões de eleitores. A senadora foi presidente da Câmara de uma cidade de médio porte e é filha de um ex-senador, já falecido, pelo Mato Grosso do Sul, grande produtor agrícola do Brasil.
 
Variedades

• Em reação inédita, o Conselho de Administração da Petrobras contrariou o desejo do presidente Bolsonaro de trocar o presidente da empresa. Para convocar a assembleia, pediu nome de novos administradores a serem submetidos a órgão interno, o que atrasa por mais de 40 dias a posse do novo indicado. Será o quarto presidente da empresa neste governo, desde que os primeiros três não acataram ordens do Presidente da República para congelar preços dos combustíveis e gás. A empresa é controlada pelo governo, mas tem milhares de acionistas no Brasil e no exterior, tendo suas ações movimentadas diariamente em Nova York e Madrid. 

• Grande debate em torno da proposta do governo de cobrar anuidade das universidades públicas dos alunos que possam pagar, limitando a gratuidade aos menos favorecidos. A esquerda, incoerente, combate a proposta. A maioria dos alunos ainda tem origem nas classes médias, apesar da política de cotas. 

• Atendendo a movimentos LGBTQI+, o censo brasileiro revela os que declararam sua opção de género – homossexuais e transexuais –, mas revelou menos de 2% da população. A estimativas eram de número bem maior. 

• O ex-Presidente Michel Temer foi eleito para a Academia Paulista de Letras. Ele goza de bom conceito e, não fossem os seus amigos mais próximos, teria sido o candidato natural da terceira via. Dos quatro mais próximos, três já foram presos. 

• Há dez dias, uma operação policial no Rio de Janeiro resultou em quase 30 suspeitos mortos. Muitos da cúpula do crime, com armas e grande volume de dinheiro apreendidos. Surpreendentemente, o ministro Edson Fachin, da Suprema Corte, manifestou preocupação com as mortes e pediu informações às polícias envolvidas na operação. Quase todos os mortos têm passagem pelas prisões. 

• Obcecado pelos dividendos eleitorais que uma política de subsídios aos derivados do petróleo pode dar, o presidente Bolsonaro acena com um complicado sistema de compensação a caminhoneiros, motoristas de táxi e aplicativos. 

• Nova área no Porto de Santos vai duplicar a capacidade de movimentação de contêineres, que hoje é de três milhões/ano. O porto deve ganhar um novo acesso rodoviário e ferroviário obedecendo a projeto elaborado pela Associação de Terminais Retroportuários, dirigida por João Ataliba de Arruda Botelho. 

• A Catedral de Petrópolis terminou as obras de reforma e atualização em que foram gastos dois milhões e meio de euros.O templo abriga o mausoléu onde se encontram o Imperador Pedro II, a Imperatriz Teresa Cristina, a Princesa Isabel e o Conde d’Eu, Gastao de Orleans. Também o príncipe Pedro de Alcântara, avô do Duque de Bragança 

• Os casamentos represados pela pandemia devem movimentar, até final do ano ,cerca de oito mil milhões de euros equivalentes na economia brasileira.

• A energia solar deve dobrar a sua capacidade instalada no Brasil nos próximos quinze meses. Mas com painéis vindos da China pois a indústria brasileira não é competitiva e atende apenas cinco por cento da demanda.

• Pandemia resiste e a procura por vacinas diminuiu nas últimas semanas. 

Os comentários estão desactivados.