Desporto

A coroa continua a pertencer a Nadal

Apesar da elevada idade e das preocupantes lesões, o tenista espanhol Rafael Nadal voltou a sagrar-se campeão do torneio Roland Garros - esta foi a 14.ª vez que ganhou esta competição.


Dois dias depois de ter completado 36 anos, o tenista espanhol Rafael Nadal continua a surpreender tudo e todos após conquistar pela 14ª vez o torneio Roland Garros, cimentando o seu estatuto como o rei desta prova e do ténis em terra batida.

O espanhol derrotou o norueguês Casper Ruud em três sets na final de Roland Garros, cavando ainda mais o fosso entre o seu registo e o resto da competição, depois das 14 vitórias de Nadal, o segundo melhor registo pertence ao francês Max Decugis, com oito vitórias conquistadas entre os anos de 1903 e 1914.

Numa partida que se prolongou durante duas horas e 18 minutos, e em que o norueguês, oitavo melhor tenista do mundo, segundo a classificação da ATP, chegou a estar à frente durante os sets, os resultados foram 6-3, 6-3 e 6-0, permitindo que Nadal (que se encontra no quinto lugar da mesma classificação) ampliasse o seu impressionante recorde no Roland Garros, tendo celebrado 112º vitórias em 115 encontros. 

Com esta conquista, o espanhol, que este ano já tinha vencido o Open da Austrália, soma a sua 22ª vitória em torneios do Grand Slam, o que significa que tem mais dois títulos nesta competição do que o sérvio Novak Djokovic (número um mundial) e o suíço Roger Federer (que aos 40 anos se encontra na posição número 47 do ranking).

“Pessoalmente, é muito difícil descrever os meus sentimentos. É algo que nunca imaginei. Estar aqui com 36 anos, competitivo novamente no ‘court’ mais importante da minha carreira”, comentou o tenista após erguer a Taça dos Mosqueteiros no ‘court’ Philippe Chatrier. “Mais um título significa muito. Significa mais energia para continuar a tentar. Não sei o que poderá acontecer no futuro, mas vou continuar a lutar e tentar seguir em frente”, prometeu o atleta, recebendo uma enorme ovação por parte dos espetadores.

Apesar da derrota, Ruud, que se estreou nas finais de torneios de Grand Slam, não escondeu os elogios ao seu ídolo. “A primeira coisa e a mais importante é dar os parabéns ao Rafa. É o teu 14.º título em Roland Garros, 22.º em Grand Slams. Todos sabemos o campeão que és. Hoje, soube qual é a sensação de jogar contra ti na final, não é nada fácil, mas não fui a primeira vítima, houve outras antes de mim”, afirmou o tenista que costuma treinar na academia do espanhol, em Manacor, enviando um abraço para o adversário e para a sua família. “És uma verdadeira inspiração para mim e para todos os que seguem o ténis por todo o Mundo. Espero que continues por mais algum tempo”.

Mas os elogios a Rafa não vieram só do seu adversário, chegaram inclusive da realeza. “Há pouca gente tão competitiva como Rafa Nadal”, afirmou o Rei de Espanha, Filipe VI. “Quando mete um objetivo na cabeça é difícil tirá-lo de lá. Sabemos que tem um problema no pé, mas vendo como jogou este torneio foi incrível. Nos quartos-de-final contra Djokovic aguentou aquelas horas todas. Rafa merece isto tudo, é uma maravilha vê-lo a desfrutar. Catorze vezes campeão em Roland Garros, isto é uma barbaridade”, disse à Eurosport o monarca, que assistiu a partida em Paris ao lado do príncipe herdeiro da Noruega.

Pelo caminho, Nadal enfrentou na primeira eliminatória e venceu o australiano Jordan Thompson por 3 sets a 0 (triplo 6-2), depois ganhou ao francês Corentin Moutet, também por 3 a 0 (6-3/6-1/6-4), seguido pelo holandês Botic van de Zandschulp, vencendo novamente por 3 a 0 o adversário (6-3/6-2/6-4) e na quarta rodada, numa partida mais renhida, o espanhol eliminou o canadiano Félix Auger-Aliassime por 3 sets a 2 (3-6/6-3/6-2/3-6/6-3).

Nos quartos de final, que foram uma espécie de final antecipada, o espanhol enfrentou o sérvio Djokovic e eliminou o número um mundial após conquistar a 1 (6-2/4-6/6-2/7-6). 

Durante a meia-final do torneio, Nadal venceu o primeiro set contra o alemão Alexander Zverev por 7-6, contudo, durante o segundo set, que se encontrava empatado 6-6, o tenista alemão lesionou-se, sofreu uma torção grave no tornozelo, e foi obrigado a abandonar a partida, permitindo que Nadal se classificasse automaticamente para o final da competição.

Para além de todos os recordes quebrados pelo espanhol, após esta vitória, Rafa Nadal quebrou mais um registo, tornando-se o tenista mais velho a vencer o Roland Garros.

Os comentários estão desactivados.