Economia

Taxa de juro implícita no crédito à habitação cresce em maio

Taxa subiu para 0,826% no mês de maio.

Taxa de juro implícita no crédito à habitação cresce em maio

A taxa de juro implícita no crédito à habitação subiu para 0,826%, valor superior em 2,1 pontos base (p.b.) no mês de maio. Esta é a taxa de juro mais alta desde abril do ano passado, segundo os dados divulgados esta quarta-feira pelo Instituto Nacional de Estatística (INE).

O INE diz ainda que, nos contratos celebrados nos últimos três meses, a taxa de juro foi 0,970%.

O gabinete de estatística avança que para o destino de financiamento aquisição de habitação, o mais relevante no conjunto do crédito à habitação, a taxa de juro implícita para o total dos contratos subiu para 0,841% (+2,1 p.b. face a abril).

Considerando a totalidade dos contratos, o valor médio da prestação subiu três euros, para 260 euros. Deste valor, 42 euros (16%) correspondem a pagamento de juros e 218 euros (84%) a capital amortizado. Nos contratos celebrados nos últimos três meses, o valor médio da prestação subiu quatro euros, para 391 euros.

Em maio, diz ainda o INE, o capital médio em dívida para a totalidade dos contratos subiu 372 euros face ao mês anterior, fixando-se em 59614 euros. Para os contratos celebrados nos últimos três meses, o montante médio do capital em dívida foi 126620 euros, mais 1209 euros que em abril.

 

Os comentários estão desactivados.