No meio de nós

No futuro teremos todos de fazer sacrífícios

Se não quisermos fazer sacrifícios e penitência agora, teremos de os sofrer no futuro. É uma questão de tempo...


Os objetivos da operação especial militar serão conseguidos, disse ontem Putin. E acrescentou: Nada voltará a ser como dantes na política internacional.

Estas duas frases ajudam-nos a compreender o momento que estamos a viver. O objetivo da operação militar especial não é libertar especial não é libertar as pessoas de língua russa de forças nazis, mas, ao invadir o território ucraniano, interferir na política internacional. 

O Presidente russo tem realmente um desejo imperialista e quer, pela força, interferir na ordem mundial da política internacional. No fundo, este homem entregou a vida dos militares russos seus súbditos para poder ficar na história como aquele que rompeu com a paz europeia.

Mas será mesmo verdade? Será verdade que a Rússia conseguir não só invadir e ficar a governar os territórios ucranianos? Na realidade, já começaram a invadir e, apesar de lentamente, estão a avançar na apropriação dos territórios ucranianos. A manutenção do governo daqueles territórios será, seguramente, a coisa mais importante, mas também a mais difícil. 

Todos nos lembramos das palavras de Biden há uns meses atrás quando visitou a Polónia: «Por amor de Deus, este homem não pode permanecer no poder». Também muitos dos líderes europeus se juntaram a Biden e dizem que a Rússia não pode ganhar esta guerra.

Será inevitável uma crescente escalada de violência? Será inevitável uma nova guerra mundial? Podemos nós livrar-nos de entrar nesta guerra para garantir que Putin recue nas posições que adquiriu na Ucrânia?

Eu espero que não, mas não sei se poderá haver alguma outra forma de se travar esta escalada de tensão! 

Eu não gostaria de ver as nossas jovens e os nossos jovens a partirem para a guerra… eu não gostaria de ter eu mesmo de partir para uma batalha que um megalómano como Putin iniciou.

Noutros tempos, a Igreja teria já saído à rua para começar a rezar pela paz, já teria reunido os cristãos para implorarem dos céus que o Príncipe da Paz nos proteja…

Nós não nos podemos esquecer do que Nossa Senhora nos pediu em Fátima: rezar o terço todos os dias. Não nos podemos esquecer das palavras do anjo: Penitência! Penitência! Penitência!

Nós precisamos, hoje, de rezar o terço todos os dias e de fazer penitência. Precisamos de nos voltarmos para os céus já que a terra não nos consegue travar esta guerra.

Sinto-me um hipócrita, usando dos bens que posso usar, com máximo proveito de todas as coisas que posso ter. Hoje, no entanto, há muitas crianças a morrer na Ucrânia…muitos homens e mulheres… 

Se tivermos de gastar menos luz, menos ar condicionado, menos lâmpadas ligadas, com menos iluminação pública para poupar energia e assim garantir-se que haja energia suficiente para colocar as fábricas a trabalhar. Porque não mandamos para casa todos os trabalhadores, tal como há dois anos durante o primeiro e o segundo confinamento…

Se não quisermos fazer sacrifícios e penitência agora, teremos de os sofrer no futuro. É, na minha opinião, uma questão de tempo. 

A Rússia não vai desistir… o resto do mundo também não. 

Deparamo-nos, neste momento, com aquilo a que nós chamamos de dilema… ou pagamos com sacrifícios ou teremos de sacrificar a nossa vida…

Os comentários estão desactivados.