Cultura

Sony retira músicas de Michael Jackson do streaming após fãs alegarem que "não é a voz do cantor"

Os fãs dizem que as canções ‘Breaking News’, ‘Keep Your Head Up’ e Monster’ não são cantadas por Michael Jackson. As faixas fazem parte do primeiro disco lançado após a sua morte, 'Michael', de 2010.

 


De acordo com a BBC, a Sony Music retirou três músicas póstumas do cantor Michael Jackson dos serviços de streaming depois de fãs terem afirmado que a voz que se ouve nas produções “não é a voz do cantor”. As faixas fazem parte do primeiro disco lançado após a sua morte, apelidado ‘Michael’, de 2010.

As músicas em questão são ‘Breaking News’,’Keep Your Head Up’ e ainda ‘Monster’, que contou com a colaboração do rapper 50 Cent. 

Segundo a gravadora, Jackson “gravou as três músicas com sua equipa de composição e produção Edward Cascio e James Porte em 2007”. No entanto, os fãs afirmam que a voz na verdade é de um cantor chamado Jason Malachi.

Na verdade, o caso já é antigo e corre em disputa judicial desde 2014, ano em que  a fã Vera Serova entrou com “uma ação coletiva na justiça alegando os vocais falsos nas canções”.

Durante todo o processo, a Sony parecia admitir que utilizou a voz de Jason Malachi “apenas para finalizar a produção das músicas”. Contudo, um comunicado do advogado da empresa no mês seguinte, acabou por desmentir a informação.

Segundo a mesma publicação, outra evidência seria uma publicação na rede social Facebook, onde o próprio Jason Malachi terá admitido que foi responsável pelos vocais nas músicas. Logo de seguida a publicação foi removida. 

Agora, a Sony removeu mesmo todas as três músicas quer do YouTube, como do Spotify e Apple Music. 

Numa declaração para uma página de fãs, um porta-voz do espólio de Jackson afirmou: “A remoção dessas três músicas não tem nada a ver com sua autenticidade. A discussão sobre as faixas está a distrair a comunidade de fãs e os ouvintes de Michael Jackson de focar a sua atenção onde deveria estar – no lendário e profundo catálogo de músicas de Michael”.

Os comentários estão desactivados.