Sociedade

Concurso nacional de acesso ao Ensino Superior tem a maior oferta de sempre

Vagas para formar professores crescem 7%. Governo aposta ainda nas áreas STEAM.


O concurso nacional de acesso ao ensino superior arranca hoje e com um reforço de quase 1400 vagas para o próximo ano letivo. No total contam-se 53.640 lugares nas universidades e politécnicos públicos para novos alunos, a maior oferta de sempre. Até aqui o número mais elevado remontava a 2011, quando foram disponibilizadas 53.500 vagas.

Há sete anos consecutivos que as vagas para o ensino superior não param de aumentar, e para o ano letivo 2022/23, o aumento é de 2,6% quando se compara com as vagas inicialmente disponibilizadas em 2021 (52.963).

Segundo os dados divulgados pelo Ministério da Ciência, Tecnologia e Ensino Superior (MCTES), a contribuir para esse aumento estão os cursos de Educação Básica, que no próximo ano vão poder receber mais “caloiros” para um total de 855 vagas, mais 56 comparativamente ao ano anterior, o que traduz um aumento de 7%.

Este reforço espelha uma aposta do Governo que estava prevista no despacho que dava indicação às instituições de ensino superior para que abrissem mais vagas nos cursos de formação de professores. Esta é uma tentativa de responder “à necessidade premente de formação de professores”, já que Portugal enfrenta uma falta expressiva de docentes, cenário que tenderá a piorar com as aposentações dos próximos anos numa classe profissional já muito envelhecida.

Entre as 21 instituições com essa oferta, apenas 12 anuíram à indicação do Governo, incluindo a Universidade do Algarve, numa das zonas do país onde mais faltam docentes nas escolas. Em Lisboa e Setúbal, zonas igualmente afetadas pela falta de professores, os institutos politécnicos optaram por manter o mesmo número de vagas.

Além dos cursos de Educação Básica, a tutela da ministra Elvira Fortunato apostou noutra área, as chamadas STEAM (sigla em inglês para Ciência, Tecnologia, Engenharia, Artes e Matemática) com a criação de 22 cursos novos, apoiados pelo Plano de Recuperação e Resiliência (PRR), cujo bolo total destinado ao ensino superior ascende a 252 milhões de euros.

Ao todo, das 25 licenciaturas criadas pelo PRR que representam 642 vagas, a maioria concentra-se em Lisboa e Porto, havendo ainda outros 35 novos cursos para a formação noutras áreas, como Turismo, Gestão ou Saúde, que totalizam mais 1.045 vagas.

À semelhança dos anos anteriores, há também um reforço nos cursos ligados às competências digitais, que vão contar com um aumento de 3,6% para o próximo ano letivo. Nos cursos com maior concentração de alunos com médias elevadas foram fixadas mais 153 vagas.

 Em Medicina, área na qual as faculdades não têm aproveitado a possibilidade conferida por despacho para abrirem portas a mais alunos, contabiliza-se uma subida pouco expressiva de apenas cinco vagas, todas na Universidade da Beira Interior. Apesar disso, o gabinete de Elvira Fortunato destaca que o número de lugares “volta a crescer, sendo disponibilizadas 1.534 vagas”.

Em termos territoriais, as regiões de menor pressão demográfica registam um aumento percentual superior à média (3,8%), contudo em termos absolutos Porto e Lisboa continuam a aparecer no topo da tabela com mais oferta.

Na Invicta, no próximo ano letivo vão abrir 7773 vagas, mais 377 do que no ano anterior e a maioria na Universidade do Porto. Na capital, onde se concentra o maior número de vagas do concurso nacional de acesso (13.996), o aumento global é de 339 vagas. No entanto, verificam-se discrepâncias entre as instituições: enquanto que o ISCTE-IUL é reforçado com mais 15,9% de vagas, a Universidade Nova de Lisboa regista um ligeiro decréscimo do número de vagas disponíveis.

Em sentido inverso à tendência nacional, o Instituto Politécnico de Beja vai disponibilizar menos 3% das vagas comparativamente ao ano passado, enquanto os institutos politécnicos de Lisboa, Setúbal e Leiria mantêm o mesmo número, assim como as escolas superiores de Enfermagem e Hotelaria e Turismo.

Além das 53.640 vagas do concurso nacional, há ainda 721 vagas para os concursos locais, realizados diretamente nas instituições de ensino superior para ingresso em cursos de música, teatro, cinema e dança, contribuindo para um total de 54.361 vagas.

O prazo de candidatura à primeira fase do concurso nacional de acesso ao ensino superior público decorre entre 25 de julho e 8 de agosto. Os resultados das colocações serão conhecidos a 11 de setembro.

Os comentários estão desactivados.