Economia

Risco de estagflação cresce na UE. Portugal entre os mais vulneráveis

Portugal é apontado pela Moody’s como o sétimo país mais exposto à inflação. 

Risco de estagflação cresce na UE. Portugal entre os mais vulneráveis

A guerra na Ucrânia está a aumentar o risco de estagflação – recessão ou estagnação económica com inflação elevada – na União Europeia, colocando Portugal entre os países mais vulneráveis na exposição à inflação. O alerta é da agência de notação financeira Moody’s. “A invasão russa da Ucrânia exacerbou as questões subjacentes da procura e da oferta e empurrou a inflação para níveis nunca vistos na UE desde meados da década de 1980”, afirmou o analista sénior da Moody’s Heiko Peters.

O analista diz alinda que uma paragem do abastecimento de gás natural pela Rússia “irá provavelmente intensificar essas pressões, enfraquecer a atividade económica e aumentar o risco de um ambiente estagflacionário”.

Este cenário de estagflação pode, de acordo com o mesmo, em resultar num crescimento de 2,5% da economia europeia m 2022 e 1,3% em 2023, a par de uma desaceleração da inflação, que a Moody’s espera ser de 6,8% neste ano e 4,4% no próximo. Ainda assim, as alterações na oferta e da procura a nível regional e internacional, a par de alterações estruturais, “como a transição dos países da UE da importação de energia russa, aumentaram os riscos”.

No entanto, para que a estagflação aconteça, a Moody’s aponta que as dinâmicas de preços teriam de ser seguradas por fatores “como preços da energia mais altos de forma prolongada”, registando ainda que políticas fiscais e monetárias focadas unicamente em crescimento “também podem aumentar o risco de um cenário de estagflação”. 

E deixou um alerta em relação à exposição do sul da Europa a este fenómeno. “Com base num número de indicadores que sugerem diferenças na exposição à inflação, crescimento significativamente mais baixo e as políticas de resposta, vemos o sul da Europa mais exposto a um cenário de estagflação”, diz a agência de notação financeira.

“Os países que apresentam a maior probabilidade de ver este aumento de preços transitório tornar-se permanente e menores recursos políticos são Malta, Chipre, Portugal, Eslovénia e Croácia”, apontam. E Portugal chega mesmo a ser apontado pela Moody’s como o sétimo país mais exposto à inflação e o 20.º no ‘ranking’ dos recursos políticos entre os 27.

Os comentários estão desactivados.