Sociedade

Aumento de casos de covid-19 é "expectável" com o regresso das escolas e da vida laboral

Note-se que, segundo o relatório do Instituo Nacional de Saúde Doutor Ricardo Jorge (INSA) divulgado hoje, o índice de transmissibilidade (Rt) do SARS-CoV-2 subiu para 1,02 a nível nacional, depois de ter estado desde o final de maio abaixo do limiar de 1.


O regresso às escolas e ao trabalho após as férias de verão pode resultar num aumento da incidência de casos de covid-19 a partir do outono, afirmou, esta quarta-feira, o investigador do Instituto de Medicina Molecular (iMM) da Universidade de Lisboa, Miguel Castanho.

Na ótica do especialista, adiantada à agência Lusa, é “expectável” que venham a ser registados mais contágios com a entrada do outono, devido ao regresso das rotinas escolares e laborais e também à adoção de um estilo de vida mais concentrado em espaços fechados. Estas alterações são a razão para um “contexto mais favorável aos contágios”.

"O próprio tempo frio e o seu impacto nas vias respiratórias talvez favoreça também que se instale a doença, embora este ponto não seja consensual", apontou também Miguel Castanho.

Note-se que, segundo o relatório do Instituo Nacional de Saúde Doutor Ricardo Jorge (INSA) divulgado hoje, o índice de transmissibilidade (Rt) do SARS-CoV-2 subiu para 1,02 a nível nacional, depois de ter estado desde o final de maio abaixo do limiar de 1.

Já a média diária de casos a cinco dias também subiu ligeiramente a nível nacional, passando dos 2.716 casos para os 2.769. Ainda assim, continua a registar um dos números mais baixos do ano para este indicador.

Quanto à possibilidade de surgirem novas variantes da covid-19, o investigador disse que o coronavírus vai continuar a evoluir, contudo a diferença está no ritmo dessa evolução, que “pode decrescer”.

Desta forma, Miguel Castanho assinalou ser ainda cedo para garantir que o vírus está com um comportamento mais “estável”, porém considerou “legítima” a expectativa que isso se venha a confirmar neste outono-inverno.

O especialista sublinhou ser ainda cedo para assegurar que o vírus está com um comportamento mais "estável", mas considerou "legítima" a expectativa que isso se venha a confirmar.

Em relação à imunização com as vacinas atuais, Miguel Castanho realçou que “está provado” que o seu uso continua a ser eficaz contra casos mais graves, mas, como era expectável, tenha perdido um pouco da eficácia a nível geral.

Sobre as vacinas adaptadas às variantes mais recentes, cuja autorização para a sua utilização está em curso em vários países, o investigador disse que a sua "segurança não deve ser afetada", mas notou ser ainda cedo para definir a sua eficácia, dado que os “resultados não estão totalmente disponíveis”.

Os comentários estão desactivados.