Internacional

Detido professor que recusou tratar aluno em transição de género por pronome neutro

Depois de passar algumas noites na prisão, o professor mediu as suas ações e concluiu que não encontrou maus exemplos de conduta. Ainda afirmou que não deixará a prisão se tiver de violar a sua consciência e as crenças religiosas.

Detido professor que recusou tratar aluno em transição de género por pronome neutro

Um professor do ensino secundário, na Irlanda, vai continuar preso depois de ter violado a providência cautelar que o impedia de entrar na instituição. Enoch Burke vê agora a sua vida num impasse, depois de a direção da escola Hospital Wilson’s, em County Westmeath, instaurar um processo disciplinar contra o professor, por este se recusar a chamar um aluno que está em transição de género pelo novo nome e pelo pronome “eles”.

Segundo uma notícia da BBC News, o processo entrou em tribunal, resultando numa ordem judicial que impedia Enoch de frequentar a escola onde trabalha, enquanto aguardava pelo resultado do processo disciplinar imposto pela escola.

No entanto, o professor ignorou a restrição, tendo ficado preso na prisão de Mountjoy, em Dublin, pelo menos durante uma semana.

Para a escola, o caso não se trata de transfobia e das crenças do professor, mas sim da sua conduta indisciplinada, uma vez que não quer seguir uma decisão legal do conselho de administração da escola e também não pagar o processo legal que está em curso na justiça.

De acordo com a advogada que defende a instituição educativa, o diretor da Hospital Wilson’s está “seriamente preocupado” com a forma como Enoch poderá comportar-se na escola, bem como o aluno em questão e os restantes estudantes.

Já Enoch Burke não entende o mesmo. Considerou que o caso era sobre o facto de se recusar a tratar a rapariga por rapaz, tal como a criança se identifica. Depois de passar algumas noites na prisão, o professor mediu as suas ações e concluiu que não encontrou maus exemplos de conduta. Ainda afirmou que não deixará a prisão se tiver de violar a sua consciência e as crenças religiosas.

O juiz do caso Max Barratt adiantou à BBC que aceitou o caso não por se tratar de uma questão sobre transgénero, mas por ser um pedido de uma nova providência cautelar que concedeu.

Dentro de uma semana, Enoch vai voltar ao tribunal, mas poderá ir a qualquer momento se ele quiser impugnar a sua atitude em questão no caso.

Quanto às custas do processo judicial, estão ao cargo do professor.

Os comentários estão desactivados.