Sociedade

MP abre inquérito sobre roubo de documentos da NATO em ciberataque às Forças Armadas

O caso foi detetado por ciberespiões norte-americanos, que viram à venda na darkweb centenas de documentos enviados pela NATO a Portugal.


O Ministério Público instaurou um inquérito relativamente ao ciberataque contra o Estado-Maior-General das Forças Armadas em que documentos classificados da NATO foram extraídos e colocados à venda na 'darkWeb'. 

A informação foi avançada, esta terça-feira, pela Procuradoria-Geral da República numa nota enviada à agência Lusa. 

Na semana passada, o Diário de Notícias escrevia que o Governo português tinha sido informado acerca da situação pelos serviços de informações norte-americanos, por intermédio da embaixada em Lisboa, através de uma comunicação que terá sido dirigida diretamente ao primeiro-ministro, António Costa, em agosto deste ano.

Este caso, considerado de "extrema gravidade", foi detetado por ciberespiões norte-americanos, que viram à venda na darkweb centenas de documentos enviados pela NATO a Portugal, classificados como secretos e confidenciais.

O Ministério da Defesa Nacional afirmou na altura que estava a averiguar "todos os indícios de potencial quebra de segurança informática", sendo as averiguações conduzidas pelo Gabite Nacional de Segurança, lembrando a "sensibilidade" daqueles processos.

 

Os comentários estão desactivados.