Sociedade

Inaugurada unidade de Cuidados Intensivos de doenças infecciosas do Hospital de S. João

Unidade sofreu obras de remodelação avaliadas em 500 mil euros. 


A Unidade de Cuidados Intensivos do Serviço de Doenças Infecciosas do Centro Hospitalar Universitário de São João (CHUSJ), que sofreu obras de remodelação avaliadas em 500 mil euros, foi esta quarta-feira inaugurada.

Aos jornalistas, António Sarmento, médico infecciologista e até há pouco tempo diretor daquele serviço, referiu que "a unidade passa a dispor de quatro quartos, com circuitos independentes e com segurança máxima para uma doença emergente, como por exemplo febre hemorrágica, ébola, a covid ou outras doenças que podem devastar uma comunidade".

Contudo, para o médico, "o ideal seria criar uma unidade física para responder às doenças emergentes".

"Temos de apreender que as pandemias vão ser mais frequentes, que outras virão, provavelmente, tão ou mais graves do que a provocada pelo [vírus] Sars-CoV-2", sublinhou.

A obra foi cofinanciada pela Associação Empresarial de Portugal (AEP), pela conta solidária "Todos Por Quem Cuida", iniciativa da Ordem dos Médicos (OM) e da Ordem dos Farmacêuticos, com o apoio da Apifarma (Associação Portuguesa da Indústria Farmacêutica) e de outras instituições da sociedade civil.

Na inauguração esteve o bastonário da Ordem dos Médicos, Miguel Guimarães, que referiu que o "projeto foi da iniciativa de um conjunto de pessoas e instituições que fizeram aquilo que era importante que fosse feito mais vezes, isto é, que a própria sociedade civil, as empresas e quem pode de alguma forma contribuir fosse ajudando a causa pública como acontece em vários países".

Também o presidente da AEP, Luís Miguel Ribeiro, se contralou com a existência da nova unidade que afirma que "vai ficar para o futuro e que resulta de um momento desafiante, em que a sociedade, os empresários e unidades de saúde, em conjunto com bastonário da Ordem dos Médicos e a Associação solidária 'Todos por Quem Cuida', se uniram para angariar o valor necessário para concretizar o projeto".

 

Os comentários estão desactivados.