Opiniao

Escudos novos por velhos ?

Portugal, no entanto, está a crescer em confiança, pois não tem crises energéticas e climáticas graves e está a aceitar um papel de porta de entrada para uma Europa digital. 

Escudos novos por velhos ?

por Roberto Cavaleiro

A 16 de setembro passou quase despercebido o 30º aniversário da Quarta-feira Negra quando George Soros, por astuta venda a descoberto de libras esterlinas, notoriamente “faliu o Banco de Inglaterra com um lucro de £ 1 bilhão”. Ao todo, o Banco perdeu cerca de £ 3,5 bilhões como resultado da decisão do Chanceler do Tesouro, Norman Lamont, de se retirar abruptamente do Sistema Monetário Europeu (SME) e do seu Mecanismo de Taxas de Câmbio (ERM I). O caos que se seguiu levou a GBP ao seu nível de câmbio mais baixo desde 1985 e os resultantes desequilíbrios económicos e financeiros atormentaram o governo conservador até ser substituído na vitória esmagadora do New Labour de 1997 . A consequente direcção mais hábil de Gordon Brown das finanças do Reino Unido restauraram parcialmente o lugar do país na hierarquia da UE, mas a adesão em 1999 ao MTC II e á Zona Euro foi recusada.

O escudo português também foi atacado na Quarta-feira Negra, mas não na mesma medida. Portugal aderiu ao MTC I em Abril de 1992, depois de o Banco de Portugal (BdP) ter passado uma década a combater desesperadamente a inflação crescente e uma economia em crise com uma combinação de taxas de juro elevadas, tributação do capital estrangeiro, licenciamento de transacções imobiliárias e venda a prazo de grandes valores de um escudo cravejado. Em Setembro de 1992, as taxas de juro atingiram temporariamente os 25%, mas a taxa overnight situou-se em cerca de 15% devido à intervenção da Alemanha e das economias vizinhas. Desde então até ao nascimento do Euro em 1999 seguiu-se uma convergência gradual das taxas de juro e uma redução da inflação até à entrada do escudo no valor deprimido de 200,482 para o Euro.

Avanço rápido para um quadro totalmente diferente em 2022. Após o Brexit, o Reino Unido está à beira da recessão, enquanto a Alemanha e a França não estão tão atrás devido ao crescente encerramento de negócios e a um inverno de descontentamento previsto. Portugal, no entanto, está a crescer em confiança, pois não tem crises energéticas e climáticas graves e está a aceitar um papel de porta de entrada para uma Europa digital. A actual vaga de investimento estrangeiro em recursos portugueses reflecte o subjacente aumento do valor do escudo que se esconde na “serpente” do Euro criada pelo MTC II . Por outro lado, o marco e o franco caíram até cinco pontos percentuais no seu património líquido. Com efeito, os “abutres” do private equity estão a pagar valores de pechincha bem abaixo das paridades comparáveis ​​em 1999.

A tentação de devolver o escudo ao curso legal terá a resistência de uma UE empobrecida, mas poderia fazer sentido se fosse criado um “invest-euro” paralelo semelhante aos petrodólares usados ​​para a comercialização de produtos energéticos. A alternativa seria reintroduzir a tributação do capital estrangeiro no ponto de entrada. Em 1992, estava a uma taxa de 1%, mas trinta anos depois precisaria de ser mais alta para que a nação fosse compensada socialmente pela perda contínua dos seus activos em benefício de entidades corporativas de elite e oligarcas.

Curiosamente, o Banco Central Europeu concordou com a Amazon e vários outros mega-retalhistas, lançar um estudo piloto para a introdução de um euro digital em 2025 para competir com a Bitcoin e a Ethereum nos mercados emergentes de criptomoedas. Esperemos que isso possa reduzir as enormes fugas de lucros não tributados que muitas vezes resultam de actividades comerciais criminosas ou duvidosas e trazer algum alívio muito necessário para os escalões mais baixos da nossa grande sociedade europeia.

Roberto Cavaleiro  Tomar  20-09-2022

Os comentários estão desactivados.