Economia

Salgado condenado a pagar 950 mil euros

Juíza realçou a posição única e de relevo que o banqueiro tinha no universo Espírito Santo. 


O Tribunal da Concorrência condenou esta segunda-feira Ricaro Salgado, ex-presidente do BES, a uma coima de 950 mil euros, baixando em 50 mil euros o valor aplicado pela CMVM no caso do prospeto do aumento de capital de maio de 2014.

Na decisão do julgamento dos recursos apresentados por Ricardo Salgado e os ex-administradores Amílcar Morais Pires, Rui Silveira, Joaquim Goes e José Manuel Espírito Santo, o Tribunal da Concorrência, Regulação e Supervisão (TCRS), em Santarém, considerou como provados os factos que vinham condenados pela Comissão do Mercado de Valores Mobiliários (CMVM), exceptuando o relativo à obrigatoriedade de incluir no prospeto informação relativa à Rioforte.

Relativamente ao caso de Ricardo Salgado, a juíza Mariana Machado Gomes realçou a posição única que tinha no univero Espírito Santo e lembrou algumas decisões do TCRS já transitadas em julgado e nas quais foi condenado, nomeadamente, por gestão ruinosa.

A juíza frisou ainda que, apesar das condenações, Salgado não tomou qualquer diligência para o pagamento voluntário das coimas que lhe foram aplicadas, estando inclusivamente em curso um processo de execução. Além disso, a juíza afirmou que a situação de saúde que foi invocada pelos seus mandatários não estava presente à data dos facts, pelo que não tinha relevo em relação à sua responsbilidade de atuação. 

Além da multa de 950.000 euros, Ricardo Salgado ficou ainda inibido de exercer funções em instituições financeiras por um período de quatro anos.

 

Os comentários estão desactivados.