Editorial Luz

Do passarinho ao elefante

 O magnata pretende aplicar uma mensalidade de 8 euros para as contas verificadas, possibilidade que desencadeou uma chuva de reações naquela rede.

Do passarinho ao elefante

O Halloween já terminou, mas Elon Musk continua a espalhar o terror. Depois de se ter vestido a rigor para a festa do Dia das Bruxas, organizada pela modelo Heidi Klum, em Nova Iorque, as notícias que dão conta das mudanças que quer aplicar no Twitter continuam a assombrar os trabalhadores. O plano de despedimento que visa praticamente 50% da empresa até pode parecer otimista, se se pensar que o novo dono do passarinho azul quis alegadamente mostrar o caminho para a porta de saída a 3/4. Provavelmente já terá consciência de que os outros 25% vão pelo próprio pé, uma vez que centenas de empregados foram saindo da empresa nos últimos tempos, só com a perspetiva de que o bilionário poderia ser o próximo chefe, um cenário que veio a confirmar-se.

Agora, também os utilizadores passam a entrar no planos de Musk. O magnata pretende aplicar uma mensalidade de 8 euros para as contas verificadas, possibilidade que desencadeou uma chuva de reações naquela rede. Depois do autor Stephen King - com mais de 7 milhões de seguidores - ter ameaçado sair do Twitter caso este modelo avance - afirmando que «eles é que deviam pagar-me», foi a congressista norte-americana Alexandria Ocasio-Cortez a tweetar, dizendo estar a rir-se «à gargalhada de um milionário tentando vender às pessoas a ideia de que a ‘liberdade de expressão’ é de facto um plano de subscrição de 8 dólares/mês». Elon Musk fez questão de responder: «Obrigado pelo feedback. Agora paga 8 euros».

Enquanto Musk vai atirando o barro à parede, e num momento em que se tenta perceber o rumo que o Twitter pretende tomar, os utilizadores já procuram novas soluções. A Mastodon já se posiciona como a nova rede social que poderá substituir o Twitter e milhares já levantaram voo para a plataforma representada por um elefante. Mas Musk é ave rara e sabe que só com asas e muitos milhões se pode ficar mais perto do céu...

Os comentários estão desactivados.