Opiniao

De Doodlebugs a Drones

Acredita-se que os russos tenham montado as suas próprias fábricas para produzir modelos semelhantes na crença de que o bombardeio implacável de instalações militares e civis por veículos não tripulados é a forma mais provável de forçar o estabelecimento de ganhos territoriais nas províncias do leste. 

De Doodlebugs a Drones

por Roberto Cavaleiro

Na bela manhã de 16 de junho de 1944, com a tenra idade de dez anos, encontrei pela primeira vez uma bomba voadora não tripulada V1 que passou perto do abrigo antiaéreo da nossa escola primária. O seu motor barulhento logo parou, causando um mergulho de nariz íngreme inofensivo nas planícies de lama do porto de Portsmouth, mas desconfortavelmente perto do depósito de armamentos da Royal Navy em Priddy's Hard. Ele seria seguido por outros 9.520 direcionados a alvos no sudeste da Inglaterra em missões em massa de cem por dia. No total, mais de um milhão de britânicos foram afetados pela perda total ou parcial de casas e locais de trabalho.

As defesas não estavam preparadas para este novo método de ataque. Balões de barragem foram ineficazes em parte porque um cortador de cabo Kuto havia sido fixado na borda de metal das asas, de modo a que menos de 300 “mortes” foram atribuídos. O caça Hawker Tempest teve mais sucesso (após o treino dos pilotos ter sido concluído) para a interceptação de um alvo novo e perigoso, enquanto o recém-introduzido Meteor Jet teve problemas iniciais com equipamentos emperrados. Foi deixado aos artilheiros da R.A.F.  e da Royal Artillery  fornecer resistência ao pequeno e rápido V1, mas os seus esforços não foram recompensados até terem sido equipados com o sueco Bofors 40 mm. L60 anticraft gun cujo sistema electrónico de controle de fogo que beneficiava  de um computador analógico. Espalhados em linhas através dos Downs, o poder de fogo dessas armas inovadoras derrubou vários milhares de mísseis mortais com uma taxa de sucesso diária a aumentar para cerca de 75% até o final de agosto.

O V1 foi desenvolvido em Peenemunde por engenheiros militares alemães sob o nome de Vergeltungswaffe 1 (Vengeance Weapon 1), mas logo se tornou conhecido pelos britânicos como buzz bomb ou doodlebug. Ele tinha sido projectado para ser transportado sob a barriga de um bombardeiro Heinkel, mas mais tarde quase todos os lançamentos foram feitos a partir de rampas portáteis situadas em França e nos Países Baixos. A navegação era simplesmente controlada por dois giroscópios para corrigir a inclinação e a guinada, uma bússola magnética para a direcção e um barómetro para a altitude. Um hodómetro ligado por rádio ao local operacional forneceu um sistema de contagem regressiva até a área alvo com diâmetro de 30 km. ser alcançado, mas logo foi reduzido por modificação para cerca de 10 km. À medida que as forças aliadas se espalhavam para o norte a partir dos desembarques do dia D e capturavam muitos dos locais de lançamento, os alemães foram forçados a lançar da Bélgica com um modelo modificado que aumentou a capacidade de combustível do motor a jato de pulso, mas reduziu o tamanho da ogiva de 850 kg de Amatol para cerca de 500 kg. Quase 2.500 missões foram realizadas com este modelo aprimorado que poderia atingir alvos nas Midlands e tão longe quanto Liverpool. Após a captura de Peenemunde, muitos dos técnicos especializados e planos para o V1, V2 e projectos semelhantes foram enviados para os EUA.

Quase oitenta anos depois, é inevitável fazer comparações entre o V1 e o drone Shahed-136 com asas delta, que está ser usado tão eficazmente pelas forças da Federação Russa na Ucrânia. O V1 usava material recuperado e chapas metálicas para a fuselagem e contraplacado para as asas; o custo total com equipamentos de propulsão e navegação foi um décimo do que para o foguete V2 muito maior. O Shahed-136 usa materiais utilitários semelhantes e é produzido em massa no Irão a um custo de cerca de € 20.000 por unidade. Embora mais lento e mais pesado que o V1, ele tem um uso eficaz semelhante a uma arma kamikaze que pode ser usada em enxames na crença de que pelo menos 10 a 20% atingirão as áreas-alvo. A artilharia ucraniana existente teve uma baixa taxa de sucesso, mas a importação da Alemanha do sistema antimísseis Iris-T melhorou as coisas imensamente, mas a um custo de € 450.000 por unidade. Além disso, o seu número foi limitado ao que os aliados ocidentais consideram necessário para a defesa e reflecte a cautela expressa geralmente pelos países da UE em relação ao fornecimento de armas caras e sofisticadas que também podem ser usadas para ataques.

Acredita-se que os russos tenham montado as suas próprias fábricas para produzir modelos semelhantes na crença de que o bombardeio implacável de instalações militares e civis por veículos não tripulados é a forma mais provável de forçar o estabelecimento de ganhos territoriais nas províncias do leste. Também pode melhorar o moral em casa, que ficou chocado com a terrível perda de vidas e equipamentos que resultou na procura da guerra antiquada de tanques e artilharia.

É claro que a guerra de drones na forma de veículos aéreos de combate não tripulados (UCAV), capazes de lançar bombas e disparar mísseis, faz parte do arsenal de muitos países no século XXI, desde os EUA até aos militantes houthis do Iémen. Como o doodlebug, o Shahed-136 está a ser usado como uma arma terrorista barata que inflige danos civis colaterais generalizados. Todos os principais atores desses terríveis conflitos têm nos seus arsenais modelos de drones mais sofisticados, mas caros, que podem pesquisar, localizar e destruir alvos militares e assassinar indivíduos, mas foram mantidos em reserva pelos russos na esperança de que este último míssil possa subjugar os ucranianos (muitos que vivem sem energia e água) a concordarem com um acordo pelo qual cederão os seus territórios ocupados em troca de reparações para reconstruir a sua economia.

A Ucrânia tem há muitos anos uma indústria de armamento bem-sucedida, mas corrupta, capaz de atacar o território russo com mísseis produzidos em casa. Nas últimas semanas, produziu um inovador “drone marítimo” que é simplesmente um jet ski equipado com pára-choques contendo alto explosivo e combustível extra que foi lançado no Mar Negro contra navios de guerra e navios que transportam suplementos para os militares.

É arrepiante ver (como se fosse parte de um videogame horrível) máquinas de matar controladas por operadores desinteressados ​​localizados com segurança talvez a milhares de quilómetros de distância que são ordenados a assassinar alvos localizados, electronicamente identificados apenas como imagens exibidas por câmaras de vídeo. Mas o pior está por vir com operadores humanos a serem substituídos por inteligência artificial como já aconteceu na Líbia no ano de 2020. O que está acontecer na Ucrânia, Iémen, Afeganistão, Síria e outros teatros de guerra insana parece ser um ensaio para um “Dia do Juízo Final” desejado pela elite global em busca de uma nova sociedade ordenada. Ou essa é mais uma teoria da conspiração tão amada pelas redes sociais?

 

Tomar, 3 de Novembro de 2022

 

Os comentários estão desactivados.