Internacional

Trump propõe pena de prisão para jornalistas que não revelem as fontes

Durante o seu mandato de quatro anos, Trump teve sempre problemas com os media, desde as frequentes declarações de “fake news” até à  perseguição de jornalistas que relataram informações confidenciais.


O anúncio da recandidatura à presidência dos EUA, em 2024, por Donald Trump, poderá ser anunciada na próxima semana e, segundo a revista Rolling Stone, o líder republicano “já terá procurado conselhos sobre como intensificar a sua guerra com os media”, caso recupere o controlo da Casa Branca.

Recorde-se que na sua primeira campanha eleitoral - tal como nos quatro anos em que foi presidente -, os ataques aos jornalistas, meios de comunicação e a indústria em geral foram constantes: desde as frequentes declarações de “fake news” até à  perseguição de jornalistas que relataram informações confidenciais.

Além disso, segundo a mesma publicação, “Trump já terá elaborado uma estratégia para o seu segundo mandato” e, por isso, começou a solicitar conselhos de aliados conservadores sobre como o Governo americano e o Departamento de Justiça poderiam transformar os seus desejos em realidade. Ou seja, “prisão brutal de um número significativo de jornalistas”.

Para si, os jornalistas que exercerem sigilo profissional – que não revelam as suas fontes, prática totalmente institucionalizada em todos os países com liberdade de expressão – vão para a cadeia e lá serão violados.

 

 

Os comentários estão desactivados.