Opiniao

A lucratividade grosseira da Big Pharma: 2

Mesmo com o relegação das várias variedades do Covid-19 ao status de “uma forma desagradável de gripe”, os serviços nacionais de saúde fariam bem em garantir que as vacinas estejam disponíveis de outras fontes para dar continuidade aos programas de proteção quase gratuitos existentes para os mais vulneráveis.

A lucratividade grosseira da Big Pharma: 2

por Roberto Cavaleiro

Numa declaração feita a 08 de novembro, o CEO da Pfizer, Albert Bourla previu que este conglomerado (que é amplamente detida por fundos de cobertura multibilionários norte-americanos) continuará a acumular enormes lucros com a produção de vacinas Covid-19 por pelo menos mais dez anos. Ele previu que os contratos governamentais para o fornecimento de vacinas que podem ser distribuídas de forma justa e barata ao público em breve cessarão, após o que as “injeções” serão vendidas apenas para o mercado privado de saúde a um custo de pelo menos US$ 100 por dose, em vez de US$ 40 cobrados aos governos. Como cada dose custa menos de US$ 2,00 para produzir e os serviços privados são em grande parte propriedade do mesmo capital privado e hedge-funds, parece que os pacientes particulares e possivelmente as suas seguradoras serão a fonte involuntária dessa riqueza contínua.

Mesmo com o relegação das várias variedades do Covid-19 ao status de “uma forma desagradável de gripe”, os serviços nacionais de saúde fariam bem em garantir que as vacinas estejam disponíveis de outras fontes para dar continuidade aos programas de proteção quase gratuitos existentes para os mais vulneráveis.

Claro, a Pfizer admite ter investido num extenso e caro programa de pesquisa para fornecer vacinas que serão eficazes no combate a toda uma nova gama de doenças respiratórias que estão no horizonte imediato, bem como os desenvolvimentos no tratamento de enxaquecas e diabetes. Esses novos medicamentos serão amplamente comercializados para o setor privado para trazer lucros anuais previstos de pelo menos US$ 2 bilhões

As expectativas da Pfizer e, sem dúvida, as dos seus associados na Big Pharma podem fortalecer as perspetivas económicas e de saúde dos cidadãos mais ricos de nações prósperas, mas devem espalhar o desalento médico para a maioria da população global que já está a preparar-se para os desastres das Alterações Climáticas.

 

Tomar 11-11-2022

Os comentários estão desactivados.