Desporto

O skate é a sua praia

Gustavo Ribeiro domina o mundo com um skate. É assim o jovem que desafia os seus heróis e está a ‘incendiar’ a Street League.

 


Por João Sena

A paixão pelo skate começou aos cinco anos, quando o tio lhe ofereceu, como prenda de Natal, uma tábua de skate, que nunca mais largou. Ainda adolescente, começou a fazer boas manobras e dizia que o seu sonho era ser o melhor skater do mundo. «Fiquei com a certeza de que queria seguir uma carreira no skate aos 11 anos», disse Gustavo Ribeiro, numa entrevista à Red Bull. Nasceu em Lisboa, há 21 anos, e a capital portuguesa «é o meu sítio preferido para treinar». Já se tornou um verdadeiro especialista na treflip: «É a minha manobra favorita».

Foi um ano fantástico para Gustavo Ribeiro, o primeiro português a sagrar-se campeão mundial do circuito Street League de Skateboarding. Com um desempenho impressionante, derrotou na final grandes nomes da modalidade, e, no Rio de Janeiro, todos caíram a seus pés. 

O novo campeão do mundo não abdica de algumas saídas com amigos, idas ao cinema e partidas de bowling para descomprimir. Diz muito naturalmente que o grande objetivo é poder «ter uma vida segura» com o skate. Tem como hobby cozinhar - o seu prato favorito é cozido à portuguesa - e ouve todo o tipo de música, de techno a jazz. É consumidor de séries, adora praia e, quando está em Los Angeles, não vive sem o skate. Define-se como sendo uma pessoa intensa, e o seu maior receio é magoar-se seriamente em competição.

Sempre entre os melhores

Em conjunto com Gabriel Ribeiro, irmão gémeo e parceiro de longas jornadas, tornou-se um dos maiores talentos do skate nacional. Os resultados não demoraram a aparecer. Em 2017, foi o primeiro português a vencer o Tampa AM, o mais antigo campeonato de skaters amadores. «Parecia que estava a sonhar. Foi dos momentos mais importantes da minha carreira», lembrou. Essa vitória valeu-lhe a entrada no SLS Pro Open 2018, em Londres, uma das competições mais importantes da temporada. Aproveitou a oportunidade para mostrar as suas capacidades. Arriscou a execução de movimentos de grande precisão e dificuldade e garantiu um lugar nas finais, onde terminou em sétimo lugar. Começou a andar cada vez melhor, a sua evolução valeu o terceiro lugar no AM Street Dew Tour, em Long Beach, e, logo a seguir, a vitória em O Marisquiño, um dos mais importantes campeonatos de skate da Europa.

Em 2019, Gustavo Ribeiro qualificou-se para os SLS World Championships e chegou às meias-finais da competição. A boa prestação garantiu-lhe um lugar na edição desse ano do SLS World Tour, concretizando assim um sonho de menino. Nesse ano, tornou-se Pro pela JART Skateboards. Para celebrar o momento, lançou a sua primeira video part, “Nine to Five”, gravada ao longo de vários meses nos Estados Unidos e em Portugal.

Gustavo Ribeiro voltou a impressionar toda a gente no parque de desportos urbanos Ariake, em Tóquio, onde o skate se estreou como modalidade oficial dos Jogos Olímpicos. Foi o primeiro skater português na competição olímpica, e, embora lesionado num ombro, terminou a final da prova de rua em oitavo. O andamento era cada vez melhor. Pouco tempo depois, a originalidade e dificuldade das manobras realizadas na etapa de Salt Lake City levaram-no ao topo e obteve a primeira vitória na SLS: «Foi outro momento muito especial, ganhei na Street League com um 360 Flip Noseblunt que valeu um 9.4». Ainda em 2021 conquistou o terceiro lugar no Super Crown World Championship, em Jacksonville, nos Estados Unidos, pela segunda vez consecutiva. Os Estados Unidos são a pátria do skate, que nasceu na Califórnia na década de 60. Quando não havia ondas, os surfistas tentavam imitar as manobras que faziam na água usando rodas e eixos fixos em pranchas de madeira, ou seja, criaram uma prancha de surf para o asfalto dando origem ao conceito sidewalk surfing. Foi assim que o skate apareceu nas ruas do estado mais populoso dos EUA. Muito ligado a este país, Gustavo Ribeiro não tem dúvidas em dizer que «Utah foi o sítio mais marcante onde competi». 

No verão de 2022, deliciou os fãs portugueses no Red Bull Lisbon Conquest, e voltou a dar espetáculo em Jacksonville, ao alcançar a medalha de bronze na primeira etapa do tour da SLS. O seu foco em ser o número um da SLS prometia um ano com grandes feitos, e. de facto, tem sido um regalo para quem o vê a competir. Dominou a etapa de Las Vegas, onde alcançou a segunda vitória da carreira no circuito Street League, e chegou à finalíssima do Super Crown World Championship na liderança do ranking mundial.

O menino do Rio

Pode-se dizer que passou um domingo de sonho no Parque Olímpico do Rio de Janeiro. Antes da competição começar, Gustavo Ribeiro afirmou: «Todos os 20 nomes na Street League têm possibilidade de ganhar. São os 20 melhores do planeta, qualquer um pode vencer». Mas isso não o intimidou. Entrou na arena carioca em grande estilo, a meio da prova baixou ao segundo lugar, mas na última manobra fez 27,9 pontos e ficou à frente do norte-americano Braden Hoban (27,7 pontos), sagrando-se campeão mundial da SLS, numa final com oito concorrentes. «Este resultado traduz todo o trabalho que tive. Consegui conquistar este título e temos sempre de acreditar em nós. Se a mente diz que sim, ninguém pode negar. Senti tanta pressão que só queria relaxar e estar confortável. Queria muito que a minha manobra funcionasse e nem acredito que consegui, é um sonho para mim», disse. O skater português já está focado nos próximos desafios: «Espero que no Campeonato do Mundo que se realiza daqui a dois meses possa subir ao pódio e manter a liderança do ranking. Estou também a realizar o meu trabalho de preparação com vista aos Jogos Olímpicos em 2024». Os Mundiais de skate vão ter lugar em Sharjah, na região metropolitana de Dubai, nos Emirados Árabes.

Os comentários estão desactivados.