Internacional

Autarca de Kiev admite que este pode ser "o pior inverno desde a II Guerra Mundial"

Klitschko acusou Putin de tentar intimidar as pessoas e forçá-las a sair da cidade, através do bombardeamento de infraestruturas civis. 


O presidente da câmara de Kiev, Vitali Klitschko, disse esta quarta-feira que a capital ucraniana está a enfrentar o "pior inverno desde a II Guera Mundial", na sequência dos ataques russos às infraestruturas energéticas do país. 

Em entrevista ao jornal alemão Bild, o autarca alertou que os cidadãos devem estar preparados para o "pior cenário" de cortes de energia generalizados, num contexto de baixas temperaturas, como é típico do inverno na Ucrânia. Caso isto aconteça, o responsável, admitiu que partes da capital pudessem vir a ser evacuadas. 

"Temos também de nos preparar para o pior cenário. Isso seria se existissem cortes de energia generalizados e as temperaturas fossem ainda mais baixas. Então, partes da cidade teriam de ser evacuadas, mas não queremos que se chegue a esse ponto", explicou.

Klitschko acusou Putin de tentar intimidar as pessoas e forçá-las a sair da cidade, através do bombardeamento de infraestruturas civis. 

"Putin quer aterrorizar as pessoas, fazê-las congelar, sem luz. Mas isso não vai acontecer. A minha impressão é que as pessoas só vão ficar mais zangadas, mais determinadas. Não vamos morrer ou fugir como Putin quer", concluiu.

Os comentários estão desactivados.