Economia

Casas. Preços aumentaram 10,1% em Lisboa e 17,4% no Porto no último ano

Ainda assim, “quer Lisboa quer o Porto estão entre os concelhos das suas áreas metropolitanas com menor ritmo de subida dos preços”.

Casas. Preços aumentaram 10,1% em Lisboa e 17,4% no Porto no último ano

Os preços de venda das casas registam um crescimento homólogo de 10,1% em Lisboa e de 17,4% no Porto, de acordo com o Índice de Preços Residenciais referente ao terceiro trimestre deste ano, revelou esta terça-feira a Confidencial Imobiliário, acrescentando que, em termos trimestrais, no terceiro trimestre deste ano os preços apresentam crescimentos de 2,1% em Lisboa e de 1,7% no Porto.

No que diz respeito a Lisboa, a subida homóloga de 10,1% “representa uma estabilização do ritmo de valorização, que já no trimestre anterior rondou os 10%”, explica. Já no Porto, o ritmo de subida agora observado “traduz um abrandamento face ao trimestre anterior, quando a variação homóloga se fixou em 19,6%”.

A Confidencial Imobiliário diz ainda que “sem prejuízo de registarem valorizações robustas e de ambas as cidades continuarem a ser os mercados mais caros das respetivas regiões, quer Lisboa quer o Porto estão entre os concelhos das suas áreas metropolitanas com menor ritmo de subida dos preços”.

Na Área Metropolitana de Lisboa, apenas o Montijo valoriza menos que a capital neste período, com um aumento homólogo de 9%. Na Área Metropolitana do Porto essa posição cabe a Valongo e Gondomar, com variações homólogas de 13% e 16%, respetivamente.

Relativamente aos preços, Lisboa consolida-se como o mercado mais caro da região, praticando vendas com um preço médio de 4 265 euros por metro quadrado no trimestre em análise, enquanto a média das transações na Área Metropolitana fica 35% abaixo deste valor: 2 753 euros por metro quadrado.

No Porto, as transações de habitação registaram um preço médio de 3 001 euros por metro quadrado ao passo que a média da Área Metropolitana transacionou a 2 087 euros por metro quadrado, estando 30% abaixo da capital regional.

Os comentários estão desactivados.