Economia

ERSE. Preços da luz sobem 1,6% em janeiro no mercado regulado

Mas a variação média anual é de 3,3%, valor superior aos 2,8% da proposta de outubro.

ERSE. Preços da luz sobem 1,6% em janeiro no mercado regulado

A Entidade Reguladora dos Serviços Energéticos (ERSE) revelou esta quinta-feira que os preços da luz para as famílias e pequenos negócios que permanecem no mercado regulado vão registar um crescimento de 1,6% nas faturas de janeiro face às de dezembro.

No entanto, fazendo as contas à média anual das tarifas reguladas apuradas pelo regulador para as famílias, a subida é de 3,3%, valor acima dos 2,8% da proposta de outubro.

“Para os clientes que permaneçam no mercado regulado (que representam 6,7% do consumo total e 941 mil clientes, respeitantes a final de outubro de 2022), ou que, estando no mercado livre, tenham optado por tarifa equiparada, a variação média anual das tarifas transitórias de Venda a Clientes Finais em Baixa Tensão Normal (BTN) é de 3,3%”, avança a ERSE.

E diz que a variação anual apresentada é relativa ao preço médio do ano 2022, que integra as atualizações em alta da tarifa de energia em abril e outubro de 2022, bem como a fixação excecional de tarifas em julho de 2022. “Fruto destas alterações, numa perspetiva mensal, em janeiro de 2023 os clientes de BTN em mercado regulado registarão um aumento médio de 1,6% em relação aos preços em vigor em dezembro de 2022”.

A ERSE explica ainda que o acréscimo tarifário “superior ao anunciado em outubro, deve-se a um menor sobreganho com a produção em regime especial (PRE), a devolver aos consumidores, do que o inicialmente previsto”, acrescentando que “sendo o diferencial de custos da produção em regime especial dependente da diferença entre os preços garantidos à produção em regime especial e os preços de energia observados no mercado grossista, a descida observada nos preços de energia nos mercados grossistas, em outubro e novembro, faz com que os valores de sobreganho da PRE a devolver aos consumidores sejam significativamente inferiores aos valores previstos na proposta tarifária de 15 de outubro”.

Os comentários estão desactivados.