Politica

Costa dirige-se aos jovens em mensagem de Ano Novo

“Temos a obrigação de assegurar que os jovens podem escolher Portugal para trabalhar", afirma o líder do Governo.


O primeiro-ministro sublinhou a importância de assegurar que a nova geração pode escolher Portugal para trabalhar, reconhecendo que a habitação é o principal obstáculo para autonomização dos jovens.

"Neste dia em que iniciamos um novo ano, é importante lembrar que o futuro se constrói hoje, com e para as novas gerações. Na educação, no emprego, no empreendedorismo, na habitação... Na geração de novas gerações", lê-se na mensagem de Ano Novo do primeiro-ministro, publicada no Jornal de Notícias.

"A nova geração oferece-nos o maior ativo que um país pode ter: cidadãos mais qualificados. Temos por isso a obrigação de assegurar que estes jovens podem escolher Portugal para trabalhar", defendeu.

Para António Costa é também necessário promover um "mercado de trabalho justo", e lembrou que "este mês a Assembleia da República aprova a Agenda do Trabalho Digno".

"E precisamos de salários dignos. O Acordo de Médio Prazo em sede de Administração Pública assegura que já em 2023 o ordenado base de entrada nas carreiras técnicas superiores será de 1320 euros, pressionando o setor privado a aumentar os salários nas contratações de jovens qualificados em início de carreira", acrescentou.

O primeiro-ministro salientou ainda que "a habitação constitui, porventura, a maior preocupação dos jovens no momento de se autonomizarem" e aproveitou para destacar o trabalho do seu Governo nessa área.

"Depois de décadas em que o Estado se demitiu de promover políticas públicas de habitação, estamos agora a atuar, também em conjunto com os municípios. Aprovámos a primeira Lei de Bases da Habitação, a Estratégia Nacional e estão já contratualizadas as primeiras 223 Estratégias Locais de Habitação", sublinhou.

Sem referências à atual situação política, Costa, na sua mensagem de Ano Novo, partiu do exemplo dos jovens para elencar uma série de medidas e objetivos que os seus governos prosseguiram nos últimos anos.

Os comentários estão desactivados.