Economia

Jerónimo Martins. Vendas disparam 21,5% em 2022

Cadeia polaca Biedronka teve o maior destaque mas Pingo Doce e Cash & Carry também faturaram mais. Grupo diz que inflação ajudou.

Jerónimo Martins. Vendas disparam 21,5% em 2022

DR  


As vendas do grupo Jerónimo Martins cresceram 21,5%no ano passado, atingindo os 25,4 mil milhões de euros, «com o sólido desempenho de todas as insígnias a impulsionar o LFL do grupo para 19,6%», informou o grupo.

Já no quarto trimeste do mesmo ano, as vendas aumentaram 23% para os 7 mil milhões de euros. «Ao longo do ano, a subida da inflação alimentar foi também um fator do desempenho registado», confessa a Jerónimo Martins.

A cadeia polaca Biedronka voltou a ser o destaque, com vendas líquidas de 17,6 mil milhões de euros, o equivalente a cerca de 70% do total.

Em Portugal o Pingo Doce também faturou mais com as vendas líquidas a atingiram 4,5 mil milhões, um crescimento de 11,2% face a 2021. O crescimento foi notório ainda na cadeia de Cash & Carry Recheio, que viu as vendas subirem 27,7% para 1,16 mil milhões de euros.

«Em Portugal, a determinação e a dinâmica do Pingo Doce e do Recheio permitiu-lhes consolidar, com êxito, a recuperação dos severos impactos, nos dois anos anteriores, das restrições impostas na gestão da pandemia», diz Pedro Soares dos Santos, presidente do grupo.

Os comentários estão desactivados.