Desporto

João Félix desafia a Premier League

O azul é a nova cor da João Félix. Vai jogar no Chelsea por empréstimo. O Benfica reforçou o ataque e foi à Noruega contratar um dinamarquês e trouxe da Dinamarca um norueguês.


O avançado português deixa o Atlético de Madrid por empréstimo e ruma ao Chelsea a troco de 11 milhões de euros. Um dia depois de chegar já estava a jogar na partida frente ao Fulham.Voltará a Madrid no final da época e pode ser que Diego Simeone já não more lá.

João Félix livrou-se, finalmente, de um treinador que está claramente fora de prazo e que tendo em conta as caraterísticas do seu futebol e aquilo que pede aos jogadores limitou a progressão do avançado português nos colchoneros. Nada que não se temesse quando, em 2019, decidiu assinar um contrato chorudo (seis milhões de euros líquidos por época) para um míudo de 19 anos. Antes de rumar a Inglaterra, Félix ainda assinou o prolongamento do contrato com o Atlético até 2024. Já com as cores dos blues, disse: «Estou muito feliz por estar no Chelsea e espero ajudar a equipa a alcançar os objetivos. Sou um jogador que gosta de ter a bola e de jogar com alegria, espero que os adeptos desfrutem». João Félix confidenciou que «desde criança que queria ser profissional de futebol e jogar na Premier League». «Todos os fins de semana vejo jogos do campeonato inglês. Gosto dos jogos pela qualidade do futebol e ambiente», acrescentou. O treinador do Chelsea, Graham Potter, elogiou a qualidade ofensiva do português: «É um jogador de topo, muito talentoso e que vai ajudar a equipa». Mas, lembrou, «sozinho não consegue resolver os problemas da equipa. Temos de corrigir algumas coisas, atacar melhor, criar mais ocasiões e quem joga naquela posição tem de marcar para a equipa vencer. Olho para o Félix e vejo um jogador confiante, que se consegue impor no jogo pela sua personalidade. Quando tem a bola encontra espaços e consegue fazer passes, e isso faz toda a diferença», frisou o treinador do Chelsea.

 

Benfica no mercado

O Benfica está ativo neste mercado de inverno e foi ao norte da Europa contratar dois jovens para reforçar o ataque. Casper Tengstedt (22 anos) atuava no Rosenborg, marcou 15 golos em 14 jogos, custou sete milhões de euros, mais três milhões por objetivos, e tem contrato até 2028. Na despedida do seu antigo clube, afirmou: «Não podia recusar o Benfica». E, na apresentação oficial, o internacional dinamarquês de sub-21 mostrou-se «feliz», adiantando: «O Benfica é um grande clube, gosto da forma como joga. Espero fazer parte da equipa, marcar golos e ajudar a vencer o campeonato. Sou um avançado, mas também posso jogar com extremo e remato bem». Outro reforço encarnado é o norueguês Schjelderup, que jogava no Nordsjaelland (Dinamarca) e custou nove milhões de euros, mais cinco milhões por objetivos, ficando o clube com 10% de uma eventual mais valia na venda. O jovem de 18 anos tem contrato até 2028 e pode jogar como extremo esquerdo ou médio ofensivo.

Os comentários estão desactivados.