Falar Baixinho

A importância do canudo

Há uma ideia generalizada de que para se ser alguém na vida tem de se ter um canudo.

A importância do canudo

Quando o final do ano letivo se começou a aproximar foram muitas as mães que pediram orientação sobre cursos superiores aos quais os filhos se pudessem candidatar. Não pediam informações sobre cursos específicos. Pediam sugestões e ajuda para encontrar algum curso, qualquer que fosse, para os filhos. Porque entendiam que eles podiam escolher o trabalho que quisessem quando crescessem, mas não saíam de casa sem um canudo, fosse no que fosse, gostassem ou não.

No mínimo é curioso. No máximo preocupante. Duplamente preocupante, até.

Primeiro, é preocupante haver tantos jovens que chegam ao 10.º ano sem saber que área seguir porque não têm a menor ideia do que querem fazer no futuro. Acabando muitas vezes por escolher a área com disciplinas em que se sentem mais à vontade. Quando terminam o 12.º ano o problema coloca-se novamente. É caso para perguntar o que se passa para que estes jovens só encontrem a sua vocação cada vez mais tarde. Neste sentido talvez a escola pudesse ir ajudando a encontrar e delinear esse caminho. Apesar da exigência dos programas, notamos que a maturidade e autonomia dos jovens parece diminuir. Porquê?

Em segundo lugar, há esta ideia generalizada de que para se ser alguém na vida tem de se ter um canudo. E chega-se ao ponto de se exigir aos filhos uma licenciatura seja no que for, como se, de diploma na mão, tivessem o futuro garantido. E assim se vão perdendo alguns génios, alguns sonhos e se vão desenvolvendo algumas amarguras na vida dos jovens.

Se antigamente uma licenciatura era uma coisa rara e quase de excelência, hoje é uma banalidade. Em 2021, 45% da população portuguesa entre os 25 e os 34 anos era licenciada. Mais 4% do que a média da União Europeia. Já para não dizer que se tira um mestrado como se tirava uma licenciatura. Mas no que é que toda esta pseudo especialização se traduz? Os jovens de hoje são mais inteligentes? Estão mais bem preparados? São mais perspicazes? Mais cultos? Têm melhores empregos?

Vivemos com uma mentalidade cada vez mais competitiva. Nas escolas os conteúdos programáticos são cada vez mais extensos e complexos desde tenra idade, com pouca ligação ao concreto e ao real, que limitam a criatividade, a inovação e a diferença. Valoriza-se mais a formação, as insígnias, e menos a ousadia, a novidade, o esforço, o saber de experiência feito. Muitas pessoas descrevem os filhos ou conhecidos não pelas suas características, mas pelas licenciaturas, mestrados e doutoramentos que tiraram, como se isso fosse o mais importante. E assim vamos caminhando neste mundo de aparências, com uma população jovem muito especializada e muito desempregada, com uma das taxas de licenciatura mais elevadas da Europa, assim como de desemprego entre licenciados. Cria-se e põe-se em prática esta falsa ideia de que só a alta especialização dos doutores da faculdade pode trazer reconhecimento. Não quero aqui desvalorizar o ensino superior, naturalmente, mas salvar tudo o resto que de superior só não tem o nome.

Para isto tenho sempre um bom exemplo: um jovem que nos fez vários móveis lá para casa, a quem emprego não faltava e que trabalhava lindamente, um dia decidiu sair do campo e vir estudar arquitetura para Lisboa, porque não queria ser menos do que os outros. A verdade é que se evidenciava naquilo que fazia, mas não querendo ser menos do que os outros – com todo o direito – passou a ser mais um entre os outros… mais um licenciado sem emprego.

Os comentários estão desactivados.