Internacional

Polícia britânico assume ser violador em série. Atacou 12 mulheres

A acusação alegou que Carrick colocava as mulheres dentro de armários com o objetivo de “dominar e humilhar” as vítimas e eram ainda “forçadas a ficar nuas” durante horas. Chegou ainda a descrever uma das vítimas como sua “escrava” e urinou sobre outras.


Um agente da Polícia Metropolitana de Londres declarou-se culpado de 49 crimes, incluindo 24 de abuso sexual de 12 mulheres. A imprensa local afirma que os crimes terão ocorrido entre 2003 e 2020.

O jornal The Guardian avança que a polícia e os procuradores acreditam que o agente, identificado como David Carrick, aproveitou-se da sua “posição como agente da Polícia Metropolitana para atrair mulheres e depois as aterrorizar, para permanecerem em silêncio sobre os ataques sexuais".

O mesmo jornal acrescenta ainda que Polícia Metropolitana foi informada sobre nove incidentes ocorridos entre 2000 e 2021, incluindo oito alegados ataques ou confrontos com mulheres, mas não tomou nenhuma medida porque as vítimas recusaram apresentar uma queixa formal ou desistiram de cooperar com a investigação policial.

As vítimas disseram que o agente as ameaçou e garantiu que não teriam credibilidade se o denunciassem.

A acusação alegou que Carrick colocava as mulheres dentro de armários com o objetivo de “dominar e humilhar” as vítimas e eram ainda “forçadas a ficar nuas” durante horas. Chegou ainda a descrever uma das vítimas como sua “escrava” e urinou sobre outras.

David Carrick foi promovido em 2009 e passou a pertencer ao comando de proteção parlamentar e diplomática.

A Polícia Metropolitana reconheceu que Carrick nunca deveria ter sido autorizado a fazer parte daquela força de segurança e sublinhou que se tratava de um crime “sem precedentes”.

 

Os comentários estão desactivados.