Opiniao

A Exploração dos Recursos Minerais de Portugal

As pressões sobre o governo - tanto da UE quanto das corporações internacionais elitistas que em grande parte decidem o rumo da economia global - para vender os recursos estratégicos de Portugal continuarão. O melhor que se pode esperar é uma redução negociada dessa exploração em pelo menos metade nos próximos cinco anos

A Exploração dos Recursos Minerais de Portugal

por Roberto Cavaleiro

A empresa mineira estatal sueca LKAB anunciou a descoberta dentro do Círculo Polar Ártico, numa região remota do norte, de um depósito totalizando mais de um milhão de toneladas dos vinte e sete metais que constituem o grupo de minerais “raros”. Estes são essenciais para a fabricação de veículos eléctricos, turbinas eólicas e todos os tipos de equipamentos essenciais para a tecnologia verde que transformará o mercado europeu de energia. Embora o processo de extracção seja lento no início, a produção final permitirá aos fabricantes obter esse recurso valioso (cujo preço disparou nos últimos anos) e, assim, substituir a dependência de abastecimento da China e da Rússia.

O retorno antecipado do sistema global de clima inclemente conhecido como El Nino está a ser previsto para o final do verão de 2023. Com ele, virão temperaturas mais altas e períodos de seca mais longos do que os que experimentamos em 2022. Se isso se confirmar, as condições para o armazenamento de água e as limitações do seu uso  tornar-se-ão ainda mais críticos e exigirão uma regulamentação rígida para que a potabilidade e a irrigação para a agricultura sejam sustentaveis.

Estes dois factores deram força às vozes renovadas dos movimentos de protesto dos cidadãos que pretendem instalar-se nos sete distritos onde as empresas mineiras, quase todas estrangeiras, pretendem fechar contractos até Março para a exploração de metais como o lítio e o cobre . Por exemplo, a associação Montalegre Com Vida afirmou que o Estudo de Impacto Ambiental da mina de Romano, na localidade de Morgade, calcula que serão necessários 10.000 m3 de água diariamente para atingir o nível de produção projectado e pergunta de onde virá este enorme volume num momento em que os reservatórios locais estão em mínimos históricos e os poços para aquíferos subterrâneos estão a indicar níveis esgotados.

As pressões sobre o governo - tanto da UE quanto das corporações internacionais elitistas que em grande parte decidem o rumo da economia global - para vender os recursos estratégicos de Portugal continuarão. O melhor que se pode esperar é uma redução negociada dessa exploração em pelo menos metade nos próximos cinco anos, com uma cláusula incondicional de suspensão caso a ameaça de deterioração ambiental calamitosa se torne uma realidade

 

20-01-2023

Os comentários estão desactivados.