Sociedade

Mesquita de Lisboa aproveita Natal para oferecer almoço solidário

Mais de 400 pessoas carenciadas almoçaram hoje na mesquita de Lisboa, onde desde 2005 há a tradição de uma refeição de Natal, apesar da comunidade muçulmana não comemorar a data do nascimento de Jesus Cristo.


às 12:00, à porta do refeitório já aguardavam muitas pessoas, enquanto dentro de uma das cozinhas a sopa de feijão estava a ser passada numa enorme panela e as batatas a serem fritas.

noutro lado, o frango era preparado e o pão saía quente de um pequeno forno para o almoço de natal, no qual foram distribuídos 175 cabazes com bens de primeira necessidade. durante o resto do ano, quinzenalmente, é organizada ali a "sopa para todos".

mahomed abed, responsável pelo refeitório, acompanhou cada pormenor da preparação e do serviço à mesa, enquanto indicava à agência lusa que este almoço "já é uma tradição" na comunidade.

"apesar de sermos uma comunidade religiosa muçulmana, que não celebra o natal, estamos inseridos na sociedade", justificou o responsável, notando que a ideia do almoço está em prática desde 2005.

o presidente da comunidade islâmica de lisboa, abdool vakil, sublinhou a crença no "ecumenismo das várias religiões", que permite fazerem-se "muitos diálogos inter-religiosos".

"o que temos de promover um bocadinho mais é cumprimentarmos o outro quando ele tem uma festa da sua religião", defendeu vakil, referindo que, com este almoço, os muçulmanos também se associam à celebração da maioria católica de portugal.

abdool vakil recordou que jesus cristo é para os muçulmanos um profeta.

com a experiência do almoço de natal e notando um aumento das dificuldades económicas, os responsáveis da mesquita começaram, há cerca de três anos, a organizar duas vezes por mês a "sopa para todos", jantar com refeição completa e possibilidade de levar comida para casa.

"quem quiser entra, a porta está aberta", disse mahomed abed, que contabilizou 4.400 refeições servidas ao longo deste ano.

o projecto foi bem acolhido dentro e fora da comunidade e os patrocínios não têm faltado, acrescentou.

maria madalena, de 81 anos, é uma das pessoas que repetiu a presença no almoço de natal, e que é presença habitual nas iniciativas solidárias ao longo do ano.

moradora em campolide há 50 anos, a idosa explicou que paga muito pelo quarto e o que agradece receber o cabaz, assim como as refeições, nas quais aproveita para conviver.

com outros moradores do bairro da liberdade, laurentina inscreveu-se na junta de freguesia e guardou lugar neste almoço realizado pela mesquita, onde já tinha estado no natal de 2012.

"come-se bem, graças a deus. a sopa estava muito boa e a seguir vamos lá ver o que é que vem", disse à agência lusa.

e a seguir vinha ainda um prato com almôndegas, chamuças e frango. variados doces também constavam do menu de um almoço que, em 2014, deve voltar a cumprir uma tradição católica num templo religioso muçulmano.

lusa/sol