Economia

TAP: queixas disparam em Julho

Os atrasos e cancelamentos de voos que a TAP tem protagonizado nos últimos dois meses estão a motivar um aumento das queixas de passageiros.

Na Airhelp, empresa internacional que ajuda os clientes a reclamarem junto das companhias aéreas, cerca de 30% das reclamações recebidas no último mês referem-se à transportadora portuguesa. “Antes [das dificuldades em responder às reservas] a TAP representava cerca de 3% do total”, afiança a responsável em Portugal, Maria Tavares. Nas últimas semanas, foi mesmo a que registou mais críticas na base de dados da Airhelp.

“Ainda a uma semana de fechar o mês, as queixas da TAP já dobraram o valor registado em Junho. Todos os dias surgem dezenas de reclamações. Contamos já com cerca de 1.000 reclamações por atrasos e cancelamentos da TAP”, revela.

Também a Deco indica um aumento da insatisfação relativamente à empresa dirigida por Fernando Pinto. Entre o início deste mês e quinta-feira, entraram 20 queixas contra a TAP na associação de defesa do consumidor, quase o dobro do registado no mesmo mês de 2013, quando foram 12.

“Ainda não recebemos reclamações dos atrasos mais recentes”, realça fonte oficial da Deco.

Há alguns dias, num encontro com jornalistas, também o provedor do cliente das agências de viagens portuguesas, José Vera Jardim, tinha admitido que as irregularidades na operação aérea da TAP poderiam provocar um acréscimo das queixas visando a companhia.

Ao SOL, o porta-voz deste órgão revela que ainda não tiveram quaisquer queixas Mas também sublinha que “estes processos demoram o seu tempo a chegar”.
 
TAP assegura compensações

Questionada pelo SOL, fonte oficial da TAP confirma também ter tido um aumento das reivindicações dos clientes.“O nosso serviço Fale Connosco recebeu mais queixas nas últimas semanas, o que é normal considerando a irregularidade. Mas os fluxos estão a voltar aos padrões normais”, nota, sem quantificar.

E salienta que os passageiros devem sempre queixar-se junto da companhia, que “cumpre escrupulosamente as leis”quanto às compensações aos clientes por complicações nos seus voos.

Na quarta-feira, a companhia aérea de bandeira publicou no seu site um alerta dirigido aos passageiros onde previa cancelar 48 ligações entre 23 de Julho e hoje. Na semana passada, só em dois dias, já tinham sido cancelados 14 voos.

Nos primeiros 15 dias deste mês, a transportadora nacional realizou 4.789 voos e cancelou 104, um número elevado se comparado com os cancelamentos efectuados em todo o primeiro semestre: cerca de 250.

No aviso desta semana, a TAP voltava a justificar a situação com o atraso na recepção dos seis aviões que reforçariam a frota, numa altura em que a empresa também passava a disponibilizar 11 novas rotas.
 
Três aviões já estão a voar

Até à data, apenas três estão a voar. Além de dois A320, o mais recente, um Airbus 330, começou na terça-feira a operar, estreando-se numa ligação entre Lisboa e o Funchal. Este fim-de-semana deverá entrar o quarto em actividade – também um A330. E em meados de Agosto deverão chegar dois A319.

“Está-se a caminhar para a normalidade”, reitera fonte oficial da TAP, explicando que a companhia tem reprogramado a operação com maior antecedência. E que tem conseguido proteger os passageiros, quer recolocando-os noutros voos com o mesmo destino, quer recorrendo a companhias aéreas parceiras.

“Nalguns casos o cancelamento é meramente técnico pois pode ser aberto outro voo com numeração diferente”, frisa a mesma fonte. “E mesmo estes voos indicados como ‘cancelados’ no site, verdadeiramente são apenas metade pois incluem a ida e a volta”, frisa.

“Neste contexto, cancelamentos verdadeiros só haverá nos casos em que a TAP manteve o voo e, na hora da verdade, não tem meios para o fazer, mas essas são situações que praticamente já não existem”, assevera.

A TAP tem estado a contactar os seus passageiros e a permitir que, caso não queiram voar agora, possam alterar datas sem custos adicionais ou ser reembolsados na totalidade.

ana.serafim@sol.pt