Politica

Marinho Pinto: Salário de eurodeputado é ‘vergonhoso’, mas ‘sou pobre, preciso do dinheiro’

O eurodeputado António Marinho Pinto considera “vergonhoso” que tenha um salário de 17 mil euros por mês, mas porque “é pobre” e “tem uma filha no estrangeiro” não tenciona prescindir do dinheiro, lê-se no Jornal de Notícias.

Desiludido com a Europa, afirma que o caso mais “vergonhoso é a remuneração auferida pelos eurodeputados, que pode chegar aos 17 mil euros por mês”, muito acima “da média salarial dos cidadãos representados” em países como Portugal ou alguns estados de Leste. Contudo não pretende seguir o exemplo de eurodeputados (como aconteceu com Rui Tavares) de prescindir do salário, nomeadamente a favor do partido. “Não sou a favor da caridadezinha, tenho os meus gestos de solidariedade, mas nunca os divulguei, nem o farei”. Além do mais, o dinheiro faz-lhe falta: “Eu sou pobre, preciso do dinheiro, tenho uma filha no estrangeiro”.

Três meses depois de ser eleito, pelo Movimento Partido da Terra (MPT), o ex-bastonário da Ordem dos Advogados anuncia ao JN que abandonará o Parlamento Europeu daqui a um ano para se candidatar às legislativas de 2015. Faz mais “falta para resolver os problemas políticos dos portugueses” na Assembleia da República”, explica. De seguida, informa ainda, entrará na corrida para tentar ser Presidente da República.