Desporto

Carlos Lopes: 'Eu era louco, mas não ia comer cozido antes da maratona'

Os menores de 35 anos não puderam guardar na memória, os mais velhos nunca esquecerão. A 12 de Agosto de 1984, Carlos Alberto de Sousa Lopes tornava-se o primeiro campeão olímpico português, ao cortar e meta da maratona de Los Angeles à frente de toda a concorrência. Tinha 37 anos e, três décadas depois, o SOL recorda o momento com o agora director da secção de atletismo do Sporting.

Nos dias anteriores à maratona, ser campeão olímpico já lhe ocupava muito as ideias ou tentava não pensar muito no assunto?  

Não foi nos dias anteriores. Era algo com que eu sonhava há dois anos e meio.

No momento do tiro de partida, estava convencido que ia ganhar?

Estava. Se eu trabalhava bem todos os dias, se tinha consciência dos meus resultados, por que iria ter receio? Mas em todas as competições em que participei entrei com essa convicção. Toda a gente sabia que eu não gostava de perder.

Não faltava muito tempo para a corrida quando foi atropelado na Segunda Circular, em Lisboa. O que se passou?

Não ia nunca adivinhar que um carro me apanhasse na berma da estrada. Aconteceu, mas quando me levantei vi que não estava nada partido, só esfolado. Pensei logo que estava tudo fino, mas como faltavam 16 dias para a maratona fui ao hospital por precaução. Quem me atropelou foi um candidato à presidência do Sporting, o comandante Lobato Faria. Ainda o livrei de levar uma tareia no pêlo, porque segundo me disseram ele não parou logo e houve pessoas que o obrigaram a encostar o carro e vir tomar conhecimento do que tinha feito.

Corria no asfalto da Segunda Circular?

Por norma corria-se na berma, mas como eu vinha muito rápido ia na estrada encostado à berma. Não ocupava grande espaço. Com 53 quilos não ocupava a estrada toda [risos].

O trânsito não era comparável ao de hoje.

Já havia muitos carros, mas claro que agora há mais. Naquela altura a berma era mais larga e quase toda relvada do Campo Grande até ao Estádio da Luz.  

Chegou aos Estados Unidos quanto tempo antes da maratona?

Dez dias.

Por que decidiu instalar-se fora da aldeia olímpica, afastado da comitiva portuguesa?

Queriam que eu fosse para a aldeia, mas como ia para ganhar não estava de acordo. Tinha tudo mais ou menos preparado para ficar num hotel, com as despesas pagas pela Nike, a mim e à minha mulher. E a nível de plano de trabalho estava tudo organizado por mim e pelo treinador.

Preferiu manter-se mais isolado por estratégia? 

Eu conhecia os problemas que surgem quando se aproximam as grandes competições e resolvi não ir para a aldeia olímpica para não entrar em nenhum tipo de conflito. É verdade que passei mais tempo sozinho, mas fui umas três vezes à aldeia cumprir os treinos com o técnico.

Naquele tempo já era frequente uma marca desportiva patrocinar um atleta?

Já havia muitos atletas patrocinados no mundo, mas em Portugal era praticamente inexistente. No atletismo, devo ter sido dos primeiros. Mas aquilo que havia era muito curto. A Adidas foi das primeiras marcas a patrocinar e eu ainda calcei Adidas nos primeiros anos. Mas era tudo muito limitado e depois é que a Nike começou a dar melhores condições. 

É verdade o que se conta que na véspera da maratona almoçou cozido à portuguesa na companhia de emigrantes portugueses nos Estados Unidos?

Almocei todos os dias no hotel onde estava hospedado. É tudo mentira. Acha que eu ia comer cozido à portuguesa nos Jogos Olímpicos? Eu era louco mas não era tanto. Lembro-me que no dia da maratona comi um bom bife, isso comi.

Qual foi a sua estratégia na corrida? 

Andei-me a guardar até aos últimos cinco quilómetros. Foi para isso que trabalhei e era o que levava na cabeça.

Por isso nessa parte final parecia estar fresco como se a corrida estivesse a começar?

Não parecia, estava. Por isso é que disse inicialmente que andei dois anos e meio a preparar a maratona. Não foi no último ano nem na última semana.

Ao longo dos 42 quilómetros, raramente olhou para trás. Porquê? Não tinha curiosidade em observar os adversários?

Eu não precisava de olhar para trás. Normalmente aproveitava as curvas para poder fazer isso disfarçadamente.

Ser campeão olímpico é o momento de uma vida? 

É uma soma de vários momentos e de várias provas que não vivem isolados uns dos outros. Mas que me deu um prazer enorme, deu. E que era um sonho que eu tinha, era. Ouvir o hino no estádio olímpico é único e não há palavras que descrevam o que nos vai na alma. E quando hoje vejo aquelas imagens, não choro mas transpiro por tudo o que é sítio.

Ainda guarda a gravação original da maratona?

Fiquei sem nenhuma cassete. Estraguei umas e outras desapareceram com os empréstimos. Costuma-se dizer que os empréstimos nunca trazem nada de bom e é verdade.

Há quantos anos não vê a maratona de 1984?

De vez em quando dão um bocadinho na televisão. Do princípio ao fim, não vejo há mais de 20 anos.

rui.antunes@sol.pt