Cultura

Museu do Brinquedo de Sintra fecha no domingo

O Museu do Brinquedo de Sintra encerra portas no domingo, apesar de a câmara continuar disposta a negociar a sua permanência na vila, confirmou hoje a responsável pela vasta colecção dedicada ao "sonho" da infância.


"O museu vai fechar no dia 31 de Agosto, porque nos foi apresentada uma proposta que é inaceitável para uma colecção que tem um dono", explicou à agência Lusa Ana Arbués Moreira, filha do coleccionador e directora do museu onde é exposta grande parte dos mais de 60.000 brinquedos reunidos ao longo de uma vida.

A Câmara de Sintra propôs à Fundação Arbués Moreira a criação de um museu municipal com a colecção, que se mantinha propriedade da fundação, mas Ana Arbués Moreira notou que a participação num conselho consultivo não bastava para ter "controlo" na gestão dos brinquedos.

A fundação decidiu fechar o museu devido à quebra nas receitas das entradas e ao fim do subsídio da câmara de 5.000 euros mensais, desde Dezembro de 2013, por determinação da legislação que regula a actividade das fundações.

"Temos tido muito mais visitantes, porque o museu vai acabar e Agosto é o mês mais forte, mas nos outros anos a partir de Setembro não havia quase ninguém", adiantou a directora do museu, em relação à afluência do último mês.

A fundação anunciou, a 15 de Maio, o encerramento do museu no último dia de Agosto, o que vai levar ao despedimento de sete funcionários, alguns com 17 anos de serviço.

"Penso que esta colecção não pode ficar encaixotada", desabafou Ana Arbués Moreira, que confirmou a possibilidade de o acervo ser exposto em Lisboa, mas ainda será preciso encontrar um espaço e ver em que condições as peças podem voltar a ser exibidas.

O encerramento do museu em Sintra foi discutido na terça-feira na reunião do executivo municipal, com o vereador independente Marco Almeida a lamentar que a câmara não tenha conseguido manter a colecção na vila.

"O que desejaríamos é que neste caso do Museu do Brinquedo a câmara tivesse sido mais proactiva", afirmou.

Para Marco Almeida, a autarquia devia ter procurado mobilizar apoios, nomeadamente através de programas municipais e de mecenato, para manter aberto o museu.

O presidente da autarquia, Basílio Horta (PS), frisou na reunião que a lei impede a câmara de apoiar uma entidade privada e que não houve da parte da fundação qualquer contraproposta aos termos apresentados pela autarquia.

O autarca garantiu que "tinha gosto" que o museu continuasse em Sintra, mas integrado na rede de museus do município, tal como acontece com outras doações.

"Se a família Arbués Moreira quer fazer outra coisa dos brinquedos, quer ir para Lisboa, quer vender, seja o que for, o problema ultrapassa-nos", afirmou Basílio Horta, notando que a câmara sempre apoiou a fundação enquanto foi possível.

O presidente da câmara assegurou que, se a fundação "mudar de ideias e quiser voltar atrás" na decisão, "as portas estão abertas" para se procurar uma solução.

"Não fechamos porta nenhuma à família Arbués Moreira", desde que não implique meios financeiros que a autarquia ficou impedida de conceder, reiterou Basílio Horta.

A vasta colecção de brinquedos, que representa a História da Humanidade desde o século XVII à actualidade, recebeu mais de 900.000 visitantes.

"É o sonho de uma vida que agora vai ser encaixotado, vamos ver até quando", rematou Ana Arbués Moreira.

Lusa/SOL