Vida

De pequenino se torce o ouvido

Que o ensino da música é proveitoso para a aprendizagem já todos sabem, praticamente desde que o filósofo grego Pitágoras estabeleceu, já no século VI a.C., as leis da harmonia musical em relação estreita com a matemática. Um estudo agora divulgado vem reforçar esta ideia. Aprender música durante dois anos, ainda na primeira infância, é uma forma de dar um upgrade ao cérebro dos miúdos. 


A experiência, de que resultou um estudo publicado no Journal of Neuroscience, foi feita a um grupos de 44 crianças que fazem parte do Harmony project, uma associação norte-americana que ensina os sons a jovens carenciados. A idade média do início das aulas de música dos miúdos que participaram no estudo era de oito anos. 

Com recurso a eléctrodos implantados na cabeça das crianças, a equipa que conduziu a investigação, da Universidade Northwestern, percebeu que a reacção do cérebro de quem aprende música muito cedo à pronúncia das sílabas, por exemplo, é mais rápida e a flexibilidade de raciocínio destas crianças perante a linguagem verbal é maior. 

O grupo responsável pelo estudo defende, por isso, um reforço do ensino da música na escolaridade básica.

ricardo.nabais@sol.pt