Sociedade

Charlie Hedbo é “um pasquim nojento”, diz D. Duarte

    

D. Duarte de Bragança afirmou hoje em Braga que o semanário ‘Charlie Hebdo’ é “um pasquim nojento” e considerou “ser completamente inaceitável o que esse jornal fazia”.

“Nesse aspecto estou inteiramente de acordo com o Papa Francisco I”, esclareceu, acrescentando que no seu entender “não é admissível insultar a crença, a fé e a religião dos outros”.

D. Duarte acrescentou, porém, que é preciso “defender a vida de pessoas que têm actividades que consideramos desprezíveis”, referindo-se aos jornalistas franceses assassinados em Paris.

“Lamento o terrorismo que invade a Europa e que coloca em risco quem pensa de uma maneira diferente” continuou o chefe da Casa de Bragança, afirmando que “não se pode permitir que o fundamentalismo invada a Europa”, causa pela qual é “importante lutar”.

Ainda sobre o Charlie Hebdo, o pretendente ao trono considerou “não fazerem sentido nenhum, essas homenagens aos jornalistas”. “Se eu me colocar na rua com um altifalante a insultar a sua mãe, o seu pai ou os seus avós, obviamente que isso tem as suas consequências”, disse ainda durante uma visita aos Bombeiros Voluntários de Braga.