Politica

Foi 'distracção e falta de dinheiro', diz Passos

 “Houve anos em que entreguei declarações e pagamentos fora de prazo com coima e juros, umas vezes por distracção, outras por falta de dinheiro”, confessa Passos Coelho, numa declaração ao SOL.

O primeiro-ministro admite falhas, mas assegura que nunca obteve “qualquer tratamento de excepção”. Passos garante ainda que nunca deixou “de saldar as contas, não recorrendo a contestação nem a manobras dilatórias”.

Mas não adianta mais pormenores sobre o seu histórico fiscal em causa (entre 2003 e 2007), explicando que não dispõe de todos os elementos para o fazer. “Não guardo memória dos números de processo nem de valores, já que nunca vi interesse em conservar papéis anos a fio, de situações que ficaram regularizadas”, justifica.

Leia mais na edição impressa do SOL hoje nas bancas

margarida.davim@sol.pt