Sociedade

Mudanças na RTP e RDP com duas contratações externas

“Para fazer a grande mudança que nos propomos fomos buscar apenas duas pessoas de fora”, explica Nuno Artur Silva, o membro da administração da RTP com o pelouro dos conteúdos. “Posso dizer que fomos até muito minimalistas”. E todos foram “as minhas primeiras escolhas”, acrescenta, salientando que a administração de que faz parte, liderada por Gonçalo Reis, tomou posse a 9 de Fevereiro e anunciou que duraria um mês a fazer o retarto da empresa e perceber o que havia que mudar. Os nomes agora anunciados foram “fechados” há uma semana, avança Nuno Artur Silva.

De fora vieram Daniel Deusdado - que será director de Programas da RTP1, bem como o  director da RTP Informação e da RTP Internacional – e João Paulo Baltasar, jornalista da TSF desde a fundação até há pouco tempo, que será o director de Informação da RDP. “Ambos contratados segundo a tabela na empresa para estes cargos”, explica Nuno Artur Silva.

O critério de escolha dos novos nomes foi, diz, “a competência e as provas dadas”. Daniel Deusdado foi um dos jornalistas fundadores do Público, esteve na origem da RTPN, dirigiu o Ideias e Negócios e foi sócio de Nuno Artur Silva no suplemento satírico Inimigo Público. Foi ainda criador da produtora Pequeno Farol e a sua entrada na RTP implica cessação de funções nesta empresa, que fica também impossibilitada de contratar com a RTP. 

Paulo Dentinho, jornalista da RTP desde há 30 anos, era actualmente correspondente em Paris e na última semana ganhou destaque com a entrevista que fez ao presidente da Síria Bashar-al-Asad. Será o novo director de Informação de toda a RTP. “Conheço-o há muitos anos e foi com ele que falei primeiro, mas ele inicialmente não aceitou”. Nuno Artur Silva fez duas “démarches no exterior” a pessoas que recusaram e quando voltou a falar como correspondente da RTP em Paris desde há quase 10 anos ele aceitou porque “acreditou muito no projecto”. O suficiente para se prestar a mudar de cidade e voltar a Portugal.

Para a RTP2 apostou-se numa solução de continuidade.  Teresa Paixão, adjunta do director cessante, Elísio Oliveira, irá prosseguir “a linha que tem vindo a ser desenvolvida e que nos parece positiva”. A programação da RTP2 mudou em Janeiro deste ano e uma das suas imagens de marca tem sido a produção portuguesa em vários conteúdos culturais e a aposta em séries europeias de qualidade em horário nobre. 

A RTP África passará a ser dirigida por José Arantes. Rui Pêgo mantém a direcção da Antena 1, Antena 2 e da RDP Internacional.  Nuno Reis será o director da Antena 3.

Os nomes foram esta manhã discutidos entre a administração de Gonçalo Reis e o Conselho Geral Independente (CGI) e aprovados por este órgão que tutela desde Setembro as decisões chave da televisão pública. Falta agora a Entidade Reguladora para a Comunicação Social  emitir o seu parecer, que é vinculativo. Falta também os conselhos de redacção – de acordo com o que prevê a lei – pronunciarem-se sobre as nomeações dos directores de informação da RTP e da RDP. 

Durante esta semana, a administração foi chamando os vários directores e anunciando a decisão de os substituir. Hugo Andrade deixou a direcção de Programas da RTP 1, José Manuel Portugal a direcção de Informação de todos os canais da RTP e Fausto Coutinho saiu da direcção de Informação da RDP. A saída de Elísio Oliveira já estava prevista, uma vez que aceitou o cargo em Janeiro de 2014 com a condição de permanecer apenas um ano.

Actualizada às 18h11

telma.miguel@sol.pt